sexta-feira, 6 de março de 2015

Entrevista

A convidada desta semana é

Alessandra Benete



Brasileira, nasceu em 09 de dezembro de 1978. Tem dois filhos, Alecsander Benete e Alexandre Benete. Descobriu o amor pela literatura nas idas à biblioteca da EM 2.7.9 Uruguai. Escreve contos, crônicas, textos de autoajuda, romance, poemas, frases, pensamentos, roteiros e novelas. Começou a tornar seus escritos públicos aos 30 anos, publicando em redes sociais e plataformas de autopublicação.

 
Participação em Coletâneas:
  • Café Com Verso 3 – Editora Delicatta Com os poemas: Fragrâncias, Bandeira de Paz e Café Com Verso.



  • Entrelaços – Darda Editora Com os poemas:

  • Toda Forma de Amor de Contos – Darda Editora – Com o conto Almas Gêmeas





Redes sociais e plataformas de autopublicação:



*       *       *


EspiritualMenteComo é a sua relação com a religião e a espiritualidade?

AlessandraDesde que comecei a estudar a fundo o significado de religião e espiritualidade, confesso não ser adepta ao termo “religião” imposto pelo homem, não generalizando, é claro. Muitas pessoas usam a religião como uma divisão, impondo barreiras, levantando muros e fazendo separações.  E quando ensinada erroneamente tende a causar muita dor e sofrimento aos que estão ao redor e também dentro do núcleo religioso, afastando a pessoa do real sentido da vida... Amar o próximo independente da sua etnia. Temos diversos exemplos pelo mundo inteiro sobre a má interpretação da religiosidade.  Sou devota à religião espiritual por trazer paz e equilíbrio para a vida. Por nos capacitar a ser cada vez mais livres da matéria, fazendo-nos perceber quão valorosas são as pessoas ao nosso redor. Não sou especialista no assunto, mas posso afirmar que o meu relacionamento com a espiritualidade trouxe-me liberdade. É importante amar sem desejar nada em troca. Somente quem mergulha no outro sem sentir medo de se “arranhar”, encontrará a verdadeira felicidade e paz de espírito. Religião e espiritualidade devem andar de mãos dadas.

 
EspiritualMente -  Como surgiu em sua vida o talento para a escrita? Que tipo de gênero você sente mais motivação para escrever?

AlessandraEscrevo desde que me “entendo por gente” rs, como dizem por aí. Sempre gostei de expressar meus sentimentos para parentes enviando cartas em dias especiais. Mas foi na escola Municipal 2.7.9 Uruguai que posso afirmar que ganhei esta alma literária. Comecei a escrever textos e estórias quando tive o prazer de ler a série vagalume, em especial “O Escaravelho do Diabo”, desde este dia percebi que eu também poderia criar estórias, e como aquilo era bom! Rs Mas sai da gaveta aos vinte e poucos anos, quando comecei a publicar na net, em redes sociais e plataformas de autopublicação. O gênero que mais me motiva é o textual de opinião argumentativa. Onde faço pesquisas sobre determinados assuntos na maioria das vezes polêmicos e constrangedores para algumas pessoas devido à existência de muitos preconceitos, discriminações e tabus. Escrever sobre relacionamentos me motiva por me deparar com tantos homens e mulheres que seguem “regras” erradas na busca de um relacionamento feliz e duradouro.


EspiritualMenteUma das temáticas mais presentes em seu trabalho literário é o amor. Aliás, muita gente confunde amor com paixão. Como você definiria e diferenciaria estes sentimentos?

AlessandraO amor... É o que nos faz pulsar não é mesmo? Impossível passar por esta vida sem amar e ser amado. Amor e paixão. Muitos separaram estes sentimentos em relacionamentos. Eu costumo dizer que onde há paixão há fogo. E onde há amor há brasa. O que mantêm uma fogueira acesa? Então, acredito que o amor e a paixão devem sim andar de mãos dadas.  O amor traz maturidade para o casal enquanto a paixão traz pequenos e intensos instantes de “meninice”. São temperos que jamais devem faltar em um relacionamento. A paixão é a fagulha que não deixa que o amor esfrie. E o amor é a razão da paixão. Traz confiança e paz.

 
EspiritualMenteNos dias atuais, observamos com alguma frequência certas "práticas modernas" nas relações conjugais, como por exemplo, o casal morar em casas separadas, facilidade no divórcio, liberdade para os cônjuges, o método de "dar um tempo" etc. Qual sua opinião sobre esta realidade? A maioria dos casamentos de hoje são mais baseados no amor ou na paixão?

AlessandraPosso afirmar que casais quando se adequam a certas “práticas modernas” é porque falta algo. Os “ingredientes” para o relacionamento perfeito não está completo. Tem amor, mas falta paixão. Ou tem paixão, mas falta amor. Muitos casais se apaixonam, mas não dão tempo para o amor chegar. Vivem de momentos e acham que a tal da “química” será suficiente para manter o casamento. Esquecem-se de se “conhecer”... Saber se possuem compatibilidade ou gostos parecidos e acabam cometendo o erro de que “os opostos se atraem”. Oposto é sinônimo de encrenca. Na verdade, o relacionamento já estará começando errado. São os “opostos” que levam casais que se amam a viver em casas separadas, e, em muitos casos optar pelo relacionamento “aberto”. Nos dias atuais, devido à modernidade e a facilidade do divórcio, muitos casais optam pelo mais fácil, a separação. Não há mais diálogos. Levando em conta que tanto o homem e a mulher da década de 60, por exemplo, não possuíam a liberdade para expressar os sentimentos como tem nos dias atuais, posso dizer que ninguém se casa a toa, com algumas exceções é claro. Mas hoje em dia o amor tem sido base para o casamento sim.


EspiritualMente No livro "Papo Cabeça", fruto de 04 anos de pesquisa, você aborda de uma forma bem espontânea, mitos e dilemas sobre o que há de errado nos atuais relacionamentos amorosos. O resultado deste trabalho surpreendeu você? Que mito ou dilema você destacaria como o mais nocivo numa relação?

AlessandraSim, e como surpreendeu! Tudo começou com uma baita dor de cotovelo. Casamento arruinado... E buscas e mais buscas nos livrinhos de autoajuda com a pergunta que toda mulher se faz: “O que fiz de errado?”. Mas as respostas não foram convincentes. E pensei: Por que não saber deles o que as mulheres fazem de errado? Então, pesquisei a fundo e percebi que na verdade homens e mulheres têm adotado práticas erradas. E que os homens também amam, querem casar e fazer amor. A traição sempre será o dilema mais nocivo para um relacionamento. Mas posso afirmar piamente que alguns homens traem e outros não (o que não significa que não se sintam atraídos por outra pessoa nos momentos de carência). Em mais uma pesquisa bem sucedida, realizada com homens a partir de 30 anos - por já terem estabilidade financeira e emocional -, descobri que os homens se dividem em duas classes: Materna e paterna. O que influencia e muito na hora da traição.  O tema estará mais detalhado no livro "Papo Cabeça só para Mulheres" que será lançado este ano pela Darda Editora.


EspiritualMenteMuitas pessoas visitam o nosso projeto em busca de um esclarecimento e de um consolo espiritual. Que frase, poema ou pensamento você ofertaria a essas pessoas? 

Alessandra
São tuas... Todas as estações!

Desejo que seu dia seja sereno! 
Que tenha paz e aconchego, 
abraços, sorrisos e borboletas no estômago 
acompanhadas por bem-te-vis nos pensamentos!
Que todos os teus dias sejam primaveris
com pitadas daquele friozinho do Inverno
e correntes daquele calorzinho gostoso que traz o Verão 
acompanhado de chuvas repentinas...

Que no Outono tudo aquilo que não for bom
ao teu doce coração
despenque como uma folha amarelada ao chão
Para que novamente comece a florescer
Como um lindo Ipê



EspiritualMente Quais suas perspectivas sobre a atualidade e o futuro do Brasil e do mundo? Você acha que o nosso país está no rumo certo? 

Alessandra Costumo dizer que se carregarmos algumas pedrinhas, estaremos aos poucos fazendo grandes montanhas. Não há como construir um mundo melhor com tanta escassez de amor. Não há como ser pleno sem olhar para o próximo. Mas não posso deixar de crer em um futuro melhor, pois temos ótimos semeadores por aí! É importante não deixar de acreditar no amor.

 
EspiritualMenteQuais os seus planos e projetos em relação a literatura?

AlessandraPretendo lançar o livro "Papo Cabeça" em breve pela Darda Editora e desejo que minhas palavras possam ajudar de algum modo a quem adquirir o exemplar. Costumo dizer que não escrevo para comer, para isso deu-me Deus outras habilidades rs. Dar sentimento às palavras é um dom que não deve ser atrofiado pelo dinheiro ou pela obrigação de cumprir metas. Deve-se escrever apenas por amor, por puro prazer, tendo o escritor apenas a finalidade de desnudar almas. É gratificante quando alguém se encontra em um rabisco meu. Como todo escritor, não desejo pouco com meus rabiscos, quero que minhas palavras possam chegar a todos os corações e que possam tocar o mais profundo do ser. Esta é a minha meta!


EspiritualMente - Que mensagem você deixa para os colaboradores, seguidores e visitantes do nosso projeto? 

AlessandraNão há prazer maior do que tocar o coração das pessoas e abraçar com a alma. Sentir é o jeito mais belo de viver. Que a cada dia renasça em nós reciprocidade e que o amor seja sempre intenso e verdadeiro em nossas vidas.

*       *       *

 
O EspiritualMente agradece a Alessandra Benete pela colaboração e gentileza em conceder esta bela e interessante entrevista.


Um comentário:

  1. Amei as perguntas e as respostas!! Parabéns ao espiritualmente e a poetisa. Abraços

    ResponderExcluir

Sugestões, críticas ou elogios! Fique à vontade!