sábado, 31 de outubro de 2015

Entrevista

A convidada desta semana é
Mary Jun



Maria José da Silva Lajunza (Mary Jun - pseudônimo) é técnica em contabilidade com especialização em programação financeira, escritora e poetisa. Nasceu na cidade de Barreiros - PE em 1964 onde passou a infância e parte da adolescência. Realizou seus estudos e constituiu família na capital pernambucana. Atualmente mora em Guarulhos - SP, casada com o também poeta Roberto Jun, é mãe de 02 filhos e avó de 03 netos. É evangélica praticante e sua obra literária possui um estilo contemplativo e psicológico, sendo poetisa atuante em projetos e antologias. É membro da Confederação Brasileira de Letras e Artes e da Casa del Poetas Peruanos no Brasil.

Livros publicados:

Amor - Antologia Poética (formato digital e impresso)

Cartilha Poe/Art - Antologia Infantil (formato digital)

Autores do Brasil - Antologia (no prelo)


Sites:

http://www.recantodasletras.com.br/autor.php?id=109686

http://www.luso-poemas.net/modules/news/article.php?storyid=298808


 *       *       *

EspiritualMente - Como é a sua relação com a Religião e a Espiritualidade?

Mary Jun - Eu não gosto de atrelar a minha vida espiritual e/ou cristã a Religião. Por ser a religião só um caminho, uma escolha para vivenciarmos uma comunhão com Cristo. Eu busco tão somente viver a palavra de Deus no amor de Cristo Jesus.  Esse que é o verdadeiro sentindo do cristianismo!


Espiritualmente - É difícil levar uma vida mais voltada a religiosidade nos dias atuais? Quais os maiores desafios?

Mary Jun - Eu particularmente não tenho dificuldade porque não vivo uma vida voltada a religiosidade. A religiosidade nos leva a caminhos distorcidos, bem como: fanatismo, idolatria, exageros etc. Esses são os desafios que mais encontro. Eu vivo uma vida de servo e não julgo o religioso, por serem na sua maioria fruto de doutrinas de homens.


EspiritualMente - De onde surgiu o talento para a escrita? Quais foram suas influências?

Mary Jun - Desde os meus quinze anos surgiu-me o interesse pela escrita e paixões por poemas. Eu tinha um caderninho cheio de versos (todos de amor), mas me pediram emprestado e nunca devolveram. Sempre escrevia as cartas de amor para as minhas amigas, e acontecia que os rapazes se apaixonavam pela dona da escrita da carta. Risos! Imagine a confusão. Na verdade, tomei gosto no trabalho onde adquiri fãs que me levaram a desenvolver o meu talento. Foi aí que tudo começou, mesmo assim. Eu não me sentia segura, só passei a me valorizar quando participei de um concurso a nível nacional e fui escolhida entre os 10 (dez) melhores textos. Foi emocionante porque a editora não me conhecia, até então meu pseudomimo era Maria Silva – agora Mary Jun.


EspiritualMente - Uma das temáticas mais presentes em seu trabalho literário é o amor. Aliás, muita gente confunde amor com paixão. Como você definiria e diferenciaria estes sentimentos?


Mary Jun - O amor é a base de tudo. Inclusive eu escrevi uma crônica que aborda o tema Paixão &Amor. Eu defino a paixão como um estado de euforia e desalinho aonde a dúvida impera gerando amargor e dor... Um sentimento mesquinho e perigoso. Já o amor é um sentimento nobre - divino, puro, apaziguador, brando, solidário e companheiro. Quem vive o verdadeiro amor vive uma vida tranquila conhece o bem e a paz. Lembra-se de Jesus na Cruz do calvário?  “Representava a dor (a paixão)”. Mas, se olharmos para o sacrifício vivo da cruz, quando Ele passou todo sofrimento calado como um cordeiro indo ao matadouro, mas não desistiu de mim e nem de ti, eis aí o amor! 



EspiritualMente - Outro tema bastante defendido e valorizado em seus textos é a família. Nos dias atuais, observamos mudanças no ambiente familiar, no que se refere a identidade, formação, papéis e costumes. Como você vê essas transformações na família brasileira? 

Mary Jun - Olhando para o passado – chega a ser escandalizador a mudança no meio familiar. O que é uma pena! Difícil consertar, partindo de um princípio de liberdade. Não pode isso... não pode aquilo... os pais não tem mais autonomia sobre os filhos na sua maioria. Claro, toda regra há exceção.  Permitido a desobediência e desrespeito dos próprios filhos para com os pais. Um fator relevante é a convivência com “amizades” que levam as drogas e os vícios e acabam por perderem a dignidade, fugindo totalmente do controle familiar, que é dotado de valores, amor, respeito e comunhão! Vale salientar que tem pais que não merecia ter filhos e os mesmos levam um filho ao mal caminho.



EspiritualMente - Muitas pessoas visitam o nosso projeto em busca de um esclarecimento ou de um consolo espiritual. Que frase, poema ou pensamento de sua autoria você ofertaria a essas pessoas?


Mary Jun -

O AMOR (pensamento)



 O amor é como uma brasa consumidora
E quando  se pensa que está apagado
Ele renasce das cinzas,
Basta um sopro suave
E toda magia se revela.



EspiritualMente - Quais suas perspectivas sobre a atualidade e o futuro do Brasil e do mundo? Você acha que o nosso país está no rumo certo?

Mary Jun - Não sou pessimista, mas vejo aí algo sem solução. Claro que para Deus tudo é possível. Mas por se tratar do livre arbítrio, o Brasil e o mundo estão passando por um caos total. Imagino ser por falta de conhecimento dos eleitores, a desinformação da política pública e social. Não há interesse da grande massa em saber o seu dever e direito. E acabam por perecerem levando junto os que fazem certo. O Brasil está sem rumo e assim continuará enquanto o brasileiro não aprender a votar!   


EspiritualMente - Qual sua filosofia de vida?


Mary Jun - A minha filosofia de vida... é hoje, exatamente agora! O passado não me cabe mais... o futuro não me pertence... vivo cada segundo como se fosse o último. Grata a Deus pelo presente vivido.


EspiritualMente - Quais os seus projetos na área profissional e literária?

Mary Jun - Na minha área profissional (Técnico em contabilidade especializada em programação financeira), confesso que cansei muita trabalheira e requer muito do emocional. Estou galgando novos horizontes – gosto de trabalhar com o social voltado para o publico. Trabalhei muito tempo nessa área e pretendo retomar se assim Deus permitir. Quanto à literária, eu não tenho ambição, ou seja, eu escrevo no intuito de alcançar as vidas. Quando na leitura possam se encontrar, se libertar de uma aflição, desilusão etc. Tenho caso de pessoas que entraram em contato comigo dizendo que ao ler um texto meu salvou sua vida. Muito me impressionou! Por outro lado fiquei feliz que através de um texto uma vida foi liberta e isso é tudo para mim. Não vou dizer que não quero publicar um livro, claro se surgir à oportunidade.


EspiritualMente - Que mensagem você deixa para os seguidores, colaboradores e visitantes do nosso projeto?

Mary Jun -

SEMEADURA

Caminhe mesmo que a estrada esteja deserta e você não consiga enxergar o fim. Mesmo que tudo lhe pareça contrário; pois nesta caminhada encontrarás trilhas perigosas, mas que saberás se desviar. Há sempre um caminho para trilharmos e conquistarmos! Nunca perca a esperança porque quando assim agimos perdemos um pouco da fé, uma vez que a fé nos foi dada por Deus. Procure nas coisas simples, adquira conhecimento, planeje tudo com eficiência, claro dentro da limitação humana. Plante sementes boas, cultive e regue. Use o fertilizante da sabedoria, compreenda cada fruto, pois existem as sementes fracas, outras com defeito, outras pequeninas e outras frondosas. Sabemos que nessa semeadura haverá choro, sim. Choro mas que será regado com o fertilizante da fé, por ter sido preparado um solo fértil frutificando! Decerto que nesse campo brotará o melhor da vinha; composta de alegria, harmonia, paciência, companheirismo, amizade de irmãos, solidariedade e amor! Isso sim, isso é colher o melhor da vinha...!
 


*       *       *

O EspiritualMente agradece a querida amiga e irmã Mary Jun por conceder esta bela e emocionante entrevista!

6 comentários:

  1. Boa noite,leitores do Espiritualmente! Feliz por ter participado deste desafio. Confesso que fiquei meio apreensiva pois nunca fui entrevistada. Espero que tenham apreciado a leitura. Fiquem com Deus, muito obrigada! Paz e amor a todos, sucesso Espiritualmente!

    ResponderExcluir
  2. Adorei seu jeito de pensar e a forma lúcida que coloca em suas expressões. Abraços - Helisana Rodrigues

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Helisana Rodrigues. Obrigada,pelo carinho da leitura, fica com Deus. Beijos

      Excluir
  3. Boa noite amiga que entrevista linda.
    Ah minha amiga está ficando famosa, continue assim com essa elegância e simplicidade de sempre.
    Saudades e beijos.

    ResponderExcluir
  4. Boa noite amiga que entrevista linda.
    Ah minha amiga está ficando famosa, continue assim com essa elegância e simplicidade de sempre.
    Saudades e beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite,amigo,Carioca.Obrigada,Deus te abençoe.Abraços

      Excluir

Sugestões, críticas ou elogios! Fique à vontade!