segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Equilibrar extremos / Sintetizar antíteses



Essa é a grande proposta de Jesus. Precisamos entendê-la e colocá-la em prática.

Existem pessoas místicas – religiosas e outras muito políticas – pragmáticas.

O equilíbrio entre o místico e o político é raríssimo encontrar em uma só pessoa.

O místico trata das coisas de Deus e do mundo espiritual.

O político interessa-se pelas coisas dos homens e deste mundo material.

É necessário interagir entre esses dois mundos, tão “distantes”, e aparentemente, tão antagônicos.

No homem comum, de estreitos espaços internos, não pode (ainda), de fato, haver amizade e harmonia entre o Deus do mundo e o mundo de Deus.

É necessário compreender Jesus e tornar-se um ser cósmico que equilibra extremos e sintetiza antíteses.


Equilibrar esses dois mundos – sempre desequilibrados na maioria dos homens – é a grande proposta.

Desde tempos imemoriais tem havido místicos, desertores do mundo que encontraram  a sua perfeição e felicidade na silenciosa solidão com Deus, em alguma caverna desnuda, na vastidão das florestas, no cume de uma montanha, no sugestivo silêncio do deserto ou em um convento ou mosteiro.

Por outro lado, existem homens dinâmicos, peritos em lidar com dinheiro, mestres em política e diplomacia nas relações nacionais e internacionais.

O homem medíocre, unilateralmente ativo, vive na alucinação coletiva de que é ele mesmo, seu conhecido ego humano, que realiza grandes coisas no mundo; que é a sua inteligência e astúcia, o seu jeito, a sua erudição, a sua incessante lufa-lufa social, comercial, industrial, política, diplomática, que estes fatores sejam a causa real e última das coisas que ele realiza ou tenta realizar sobre a face da Terra.

Se alguém lhe disser que, por detrás de todos esses elementos ponderáveis existe uma imponderabilidade espiritual , ele não acredita e diz que quem pensa assim é poeta, filósofo ou místico, ou pelo menos imprático, o homem que tão estranhas coisas profere.

Esse homem ignora o que seja passividade dinâmica ou serenidade criadora. Ele não tem consciência do imenso reservatório de forças cósmicas, esse invisível oceano que se alarga, incomensurável, misterioso e infinito, para além de todos os horizontes da percepção físico-mental.

A proposta de Jesus é viver de tal modo no mundo invisível que todos os mundos visíveis da nossa vida sejam permeados e vitalizados pela luz deste universo espiritual, e todas as materializações da existência terrestre sejam como que aureoladas de um halo de poesia e beleza, nascido dessa inefável experiência do reino de Deus em nós.



Almir Paes
Palestrante e trabalhador
Educandário Espírita Joana D'Arc (Recife-PE)


2 comentários:

Sugestões, críticas ou elogios! Fique à vontade!