sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Entrevista: Nilton Moreira


Nilton Cardoso Moreira

Inspetor de Polícia aposentado, colunista, natural de Pelotas/RS, com formação em Eletrônica.
É trabalhador e palestrante espírita.
Sua coluna "Vida Além da Vida" é publicada em vários jornais em circulação no Brasil e em portais da internet, abordando diversos assuntos envolvendo a fé à luz da Doutrina Espírita.


*          *          *


EspiritualMente - Como você conheceu o Espiritismo? Qual a importância desta Doutrina em sua vida?

Nilton - Conheci em razão da amizade com um colega de trabalho, cuja família era espírita na cidade de Pelotas/RS, quando eu tinha 17 anos de idade, cuja mãe dos meus amigos, Sra. Diosma Nunes, fundara o Instituto Espírita Lar de Jesus. O Espiritismo para mim é a base para viver.


EspiritualMente - Você mantém uma Coluna intitulada Vida Além da Vida em vários jornais em circulação do Brasil como também em portais da internet. Seus artigos são bastante esclarecedores e procuram simplificar os postulados espíritas. Como você percebe atualmente a recepção e a compreensão das pessoas, principalmente daquelas que dizem não ser espíritas em relação ao Espiritismo?

Nilton - As pessoas que gostam de ler periódicos acompanham meus artigos e alguns já disseram gostar. Porém, no meio espírita, os irmãos não demonstram o valor das publicações. Talvez ficam meio assustados com a abrangência. Ainda tem muita gente que se assusta com o Espiritismo, pensando ser algo do mal e nem tem vontade de conhecer.


EspiritualMente - Qual sua avaliação sobre o trabalho e os meios de divulgação da Doutrina realizada pelo movimento espírita nos dias atuais?

Nilton - Sou um espírita à moda antiga, em razão da minha idade, 65 anos, e muita coisa mudou em relação ao movimento espírita. Vejo que estão dando interpretações diferentes as obras básicas, inclusive contrariando as obras de Divaldo P. Franco, Chico Xavier, Jacob Mello e outros, o que me assusta. Existem muitos dissidentes do modelo codificado de Espiritismo. O dia em que esse pessoal conseguir se organizar, teremos uma Doutrina paralela.


EspiritualMente - Sem dúvida, o gênero literário espírita é um dos maiores do mercado editorial brasileiro. Qual sua opinião a respeito da atual literatura espírita? Existe mais quantidade ou qualidade?

Nilton - Sinceramente, existe muita quantidade e pouca qualidade de literatura, parece que estamos enveredando para um comércio no sentido de arrecadar para sustentar um complexo. Temos em algumas regiões o "Clube do Livro", mas eles ficam nas prateleiras e não são lidos.


EspiritualMente - É difícil ser espírita nos agitados, estressantes e difíceis dias de hoje? Quais os maiores desafios?

Nilton - Acredito que um dos maiores desafios é nós mesmos espíritas. Existe muita disputa por ocupar cargo de destaque nas sociedades. Irmãos presidentes que tem uma postura dentro da Casa e, fora dela, muito diferente expõe a Doutrina. As Casas parecem elitizadas, não lemos mais obras básicas e, sim, apostilas que são mudadas seguidamente, com didática que os mais simples e humildes se sentem constrangidos de participar dos grupos de estudos. Perdemos a simplicidade.


EspiritualMente - Em meio a tantas crises, escândalos e crescimento da violência, quais suas perspectivas sobre a atualidade e o futuro do Brasil? Estamos no rumo certo?

Nilton - Todas estas tribulações são necessárias, inclusive a própria Codificação nos esclarece. Jesus mesmo disse que os escândalos seriam necessários. O Brasil está mudando e certamente será melhor. Acredito que as próximas eleições nos trarão boas perspectivas.


EspiritualMente - Você tem algum projeto ou objetivo a ser alcançado no trabalho espírita?

Nilton - Nós tentamos seguidamente nos melhorar e levar a melhora a quem podemos. É uma aprendizagem constante. Cada momento da vida nos faz questionar e vislumbrar rumos. Enquanto temos vida aqui, temos de reinventar.


EspiritualMente - Que mensagem você deixa para os visitantes, seguidores e colaboradores do nosso blog?

Nilton - A mensagem de que a vida é dinâmica e não podemos ficar parados esperando que as coisas aconteçam. Coloquemos nossas ideias em prática e tentemos mudar alguma coisa para melhor, mas sempre com base na Codificação.


*          *          *


O EspiritualMente agradece a Nilton Moreira pela gentileza em conceder esta entrevista repleta de reflexões e belas mensagens!






terça-feira, 26 de dezembro de 2017

Vídeo Mensagem




Obs. Não estamos fazendo publicidade para esse banco. Estamos apenas divulgando a excelente mensagem desse comercial.


quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Seja bem vindo Jesus!



Será que Jesus será bem vindo no nosso planeta, no nosso país, no nosso Estado, na nossa cidade?

Será que abriremos as portas do nosso coração para recebe-Lo?

O nosso orgulho ferido, a nossa mágoa contida, o nosso não-perdão, o nosso egoísmo exacerbado, bloqueiam as suas visitas!

Afinal, não se entra em casas que estão com as portas fechadas!

Precisamos compreender que a vida não é só composta por essa competição predatória que nos é imposta. Isso é coisa dos seres humanos.

"A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida".

Precisamos viver a vida e não, tão somente, passar pela vida como peça de reposição do cenário humano.

Precisamos aprender a amar e aprender a mudar esta vida com nuances de efemeridade e insensatez.

Precisamos deixar de trabalhar só pela coação, sanção ou recompensa, mas, sim, trabalhar pela consciência e prazer.


Precisamos compreender mais as pessoas e não apenas julgá-las e condená-las. Somos, ao mesmo tempo, juízes e executores.


Precisamos valorizar as pessoas e utilizar os objetos. Não podemos e nem devemos inverter esses valores.


Precisamos compreender que somos dependentes físicos e emocionalmente uns dos outros.


Precisamos fazer, administrar e conservar amigos. Afinal, podemos e devemos participar plenamente desta grande festa que é a vida.

Quando compreendermos que devemos ser bons, não apenas porque alguém mandou - Jesus, o padre, o pastor, o expositor espírita - mas porque ser bom faz bem à saúde física e espiritual, abriremos, finalmente, as portas para Jesus e Ele adentrará nos nossos corações, nas nossas vidas e, aí sim, será Natal todo dia!


Almir Paes
Educandário Espírita Joana D'Arc
Recife/PE



Obs. As imagens pertencem ao acervo pessoal de Almir Paes, referente a Campanha de Natal/2017 do Educandário Espírita Joana D'Arc realizada na Comunidade Algodoai no município do Cabo de Santo Agostinho/PE.



quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

Entrevista: Micheline Gonçalves

Micheline Gonçalves

É Coordenadora Geral do Instituto Espírita Vida.
Graduada em Economia Doméstica e Mestre em Administração e Desenvolvimento Rural. Foi professora substituta de Políticas Públicas em Saúde/Saúde da Mulher e da Criança. Atualmente é Técnica Social no projeto SISAN Universidades (UFRPE/UFPB/UFRN).

    
Palestra de Micheline
   

Campanhas educativas


Integrantes do Instituto Espírita Vida


Contato:

http://institutoespiritavidape.blogspot.com.br/

*        *        *

EspiritualMente - Como você conheceu o Espiritismo? Qual a importância desta Doutrina em sua vida?

Micheline - Digo sempre que a Doutrina Espírita chegou de forma branda, harmônica e no momento certo. Chegou por uma curiosidade, devido as minhas inquietações. Fui procurar respostas para muitas inquietações que surgiam: de onde viemos? para onde iremos quando morrermos? qual o objetivo da vida? entre outras. E agradeço todos os dias ao Pai, por me conceder a oportunidade de recobrar estas verdades que me fortalecem diante de tantas coisas que escurecem nossos olhos nesta escola da vida. A Doutrina me ensina a cada dia a importância de realizarmos a transformação interior, a resignação diante das dificuldades, saber que tudo passa porque somos imortais e estamos em momentos de aprendizado. Isso é o maravilhoso da Doutrina Espírita!


EspiritualMente - Você é Coordenadora Geral do Instituto Espírita Vida, uma sociedade cuja principal finalidade é defender a vida humana desde a concepção. Fale um pouco deste trabalho.

Micheline - É bem verdade que não é tarefa fácil. Muitas pessoas ainda olham o trabalho como se fosse de grupos que "querem salvar o mundo com suas ideias religiosas". Mas como estudiosos da ciência e filosofia espírita, sabemos que valorizar a vida humana é dever moral e ético. O espírito Lázaro (E.S.E. - Cap.17: O dever) nos adverte que "na ordem dos sentimentos, o dever é o mais difícil de ser cumprido, porque se acha em antagonismo com a sedução do interesse e do coração; sendo este entregue ao livre arbítrio". O primeiro de todos os direitos é o de viver. E este direito começa quando se é dada a oportunidade de um ser iniciar seu processo de desenvolvimento uterino. Pensamentos contrários só existem porque nós, enquanto humanos, estamos submersos no egoísmo, esta cegueira que impede que sentimentos de amor ao próximo prevaleça. Quando todos nós compreendermos que existem leis (que não são as dos homens) que nos envolvem e que o cumprimento delas dependerá de nosso comportamento para consigo e para com os outros (fazer para o outro o que gostaríamos que fosse feito por nós), aí sim, daremos valor ao outro, respeitaremos mais o direito do próximo. Não olharemos só para o nosso umbigo e nem procuraremos atender apenas aquilo que nos preenche. Mas faremos melhor para o todo.


EspiritualMente - Nos dias atuais, em meio a tanta liberdade e modernidade, juntamente com o discurso da maioria dos movimentos feministas, quais os desafios e dificuldades em conscientizar as pessoas sobre as consequências físicas, psicológicas e espirituais da prática do aborto?

Micheline - A feliz ideia de grupos de mulheres irem buscar seus direitos e serem visíveis na sociedade é louvável. Ideia da qual defendo e pratico perfeitamente. No entanto, a inversão de valores tomou conta da humanidade e trouxe prejuízos para a ordem social. O querer se igualar aos homens proporcionou uma crise de percepção por parte de um grupo de pessoas, o que vem causando uma má interpretação do uso da liberdade, dando lugar ao materialismo, libertinagens e anarquismos visivelmente percebidos. No lugar de reivindicar medidas educativas, saúde e proteção à mulher, reivindica-se o acesso ao delito para que suas consciências não estejam submersas na infringência da lei humana (como se isso bastasse) e para a liberdade do sexo sem compromissos, promovendo uma desorganização do centro genésico. Segundo Joanna de Ângelis, "a lei de liberdade de pensamento, de palavras e de ação, é conferida ao ser humano que, de maneira como a utiliza, será responsável pela própria consciência que reflete o pensamento" (disponível no livro Encontro com a Paz e a Saúde, psicografia de Divaldo Franco). Portanto, esta crise de percepção tem dificultado o trabalho da Lei de Progresso, orientada pelos espíritos no Livro dos Espíritos, que só pode acontecer se for permitido o acesso de espíritos necessitados à reencarnação.


EspiritualMente - Qual sua avaliação sobre o trabalho de conscientização e valorização da vida realizada pela imprensa, pelos órgãos governamentais e pelas mídias em nosso país?

Micheline - Infelizmente percebo que todos estes deixam muito a desejar. Pois, o que vale é o que dá lucros e atendem interesses; o que dá audiência. Quando houver a consciência do conjunto que o bem é a melhor coisa a ser propagada, os que fazem a imprensa e a mídia utilizará de seus meios para divulgar o bem; os órgãos governamentais trabalharão em favor do bem coletivo e não por interesses pessoais, por dinheiro.


EspiritualMente - O número de homicídios em Pernambuco aumentou consideravelmente em 2017. Em setembro, um boletim do Ministério da Saúde revelou que o nosso Estado ocupa a 10ª colocação em casos de suicídio no Brasil. Sabemos que, para reduzir esses índices, é necessário não apenas medidas políticas, mas, sim, uma mobilização geral de toda a sociedade. Como cidadãos, o que podemos fazer, que atitudes simples podemos adotar para a valorização da vida?

Micheline - No mundo que habitamos (podemos comparar a Terra a uma escola, hospital e presídio), retornamos para o aprendizado, para a cura de nossas mazelas e para a reabilitação moral. Por isso, os comportamentos perturbadores que levam ao ato insano de tirar a vida do outro ou a própria vida, ainda são identificados. Um número assustador de homicídios e suicídios indicam não só que falta sentimento de solidariedade, respeito e amor ao próximo e equilíbrio espiritual, mas que faltam medidas de proteção à pessoa. Sendo assim, a lei humana deve ser um recurso utilizado e os órgãos públicos devem ser acionados. O Estado precisa fazer o seu papel de ordem. Quando se percebe que isso não acontece, por não haver uma prioridade nos planos do governo, por exemplo, nós, cidadãos, precisamos gritar e cobrar medidas de proteção ao indivíduo, seja porque ele cometeu crime para com o outro, seja porque existe a intenção de tirar a sua própria vida por motivos próprios, os quais não devemos julgar, mas acolher, esclarecer e consolar. É importante sairmos de nossos sofás e reivindicar proteção e promover a conscientização. Mas não só isso! Fazer campanhas de bairros, participar mais ativamente das reuniões de associações de moradores, grupos religiosos, promover discussões e ações nas universidades, escolas e no trabalho para planejar medidas conjuntas. A oração também é uma medida simples, que é necessária para manter o equilíbrio e a paz interior.


EspiritualMente - A Doutrina Espírita, através dos seus trabalhadores, está cumprindo seus objetivos na sociedade brasileira ou falta ainda alguma coisa? Como você vê o futuro do Espiritismo?

Micheline - Embora ainda perceba que a Doutrina Espírita já saiu muito das quatro paredes das instituições, quando coloca legionários para baterem de porta em porta para realizar a campanha do quilo, quando vão aos semáforos entregar a mensagem da boa nova, quando promovem encontros nacionais, regionais e estaduais, ainda falta colocar a luz sobre a mesa para que todos vejam melhor e com maior claridade. Dentro das casas espíritas, ainda encontramos pessoas que acreditam que levar as verdades espíritas para o público em geral é impor a Doutrina... Ora, precisamos compreender que a maior caridade que podemos fazer ao Espiritismo é a sua divulgação, como nos alertou Emmanuel. Quando Léon Denis disse que a Doutrina Espírita será o futuro das religiões, não foi em vão. Isso será um fato! Haverá o tempo chegado que as instituições espíritas compreenderão esta mensagem e perceberão que isso só será possível quando fizermos a nossa parte. Divulgar o pensamento espírita através de suas mensagens evangélicas consoladoras, compreendendo que Deus é justo e bom e nada de mal quer para nós, permitindo-nos a evolução do espírito imortal.


EspiritualMente - Em meio a tantas crises, escândalos e crescimento da violência, quais suas perspectivas sobre a atualidade e o futuro do Brasil? Estamos no rumo certo?

Micheline - "É necessário que o escândalo venha. Mas ai daquele que for o motivo do escândalo", disse Jesus (E.S.E. Cap.8, item 11). Todos estes acontecimentos, segundo as orientações espirituais, fazem parte de um processo de transição dos espíritos que ainda habitam corpos para a sua evolução. Ainda em aprendizado, rebeldes, estamos sujeitos a estes comportamentos que, paulatinamente, serão transformados por comportamentos mais éticos, humildes e fraternais. Jesus é o nosso governador e está no leme de tudo. Nenhum fio de cabelo cai sem a permissão do Pai. A fé deve ser um sentimento que nos move a permanecer vibrando pelas almas irmãs que detém o poder de governar uma nação e dos que ainda trazem no seu íntimo os sentimentos animalizados. Os tempos são chegados da transformação e estamos no caminho certo.


EspiritualMente - Você tem algum projeto ou objetivo a ser alcançado no trabalho espírita?

Micheline - O maior projeto e objetivo é divulgar a Doutrina de paz, que só será possível quando houver amor ao próximo, respeito mútuo. E valorizar a vida humana desde sua concepção é atender aos princípios das leis divinas e, por conseguinte, os propósitos da Doutrina Espírita. Sabemos que nossas ações é uma gota d'água no oceano, mas sem ela o oceano não existiria.


EspiritualMente - Que mensagem você deixa para os visitantes, seguidores e colaboradores do nosso blog?

Micheline - Todo barulho faz parte de uma casa em construção e em reformas. Que possamos acreditar nas providências divinas; que só o amor constrói e edifica os maiores templos, mas que dependerá de nossos esforços e da nossa boa vontade para fazer as escolhas certas, para utilizarmos cada tijolo de forma correta. Paciência e resignação são palavras de ordem e de paz. Caridade e humildade são palavras de ação e dever. Fé e esperança são palavras de comunhão com Deus! Paz e vida!


*        *        *

O EspiritualMente agradece a Micheline Gonçalves a gentileza em conceder tão inspiradora entrevista! 




segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Campanha Aponte para o Bem

A Instituição Educar é uma entidade privada sem fins lucrativos que está localizada no bairro das Indústrias, em João Pessoa/PB. A principal ação desenvolvida pela instituição é o Projeto Aponte que vê na educação o grande instrumento para a transformação do mundo, sob a inspiração nas ideias de grandes educadores, como Paulo Freire, M. Montessori, H. Pestalozzi, J. Piaget, dentre outros. 

Todos que atuam no projeto são voluntários.

O Projeto Aponte acolhe atualmente crianças e adolescentes entre 6 e 16 anos, oriundas de escolas públicas ou privadas, com deficiências, transtornos de aprendizagem ou ainda com atrasos no processo de escolarização. São realizadas atividades psicopedagógicas, psicomotoras, pedagógicas, físicas, tendo a ludicidade como aporte principal.

Neste mês de dezembro, o projeto está em campanha:



Estão sendo recebidos até o dia 15 de dezembro, doações de gêneros alimentícios e de limpeza para presentear as crianças atendidas e suas famílias com uma cesta básica nesse Natal.

Ajude, aponte seu coração para o bem!

Contato: (83) 99115-0832 / (83) 98113-0562 (whatsapp) 

Mais informações sobre o projeto: 

https://www.projetoaponte.com/



sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Coluna Vida além da Vida: Psicografia recebida


Há poucos dias, fomos agraciados por mensagem psicografada em reunião mediúnica realizada na cidade de Pelotas, ocasião que se manifestou uma entidade espiritual que desencarnou violentamente, vitimada por crime de homicídio acontecido no município de Palmeira das Missões, cuja família da vítima reside em Três Passos.

Para quem é seguidor da Doutrina Espírita compilada por Allan Kardec, não se surpreende com tais comunicações, pois faz parte das atividades de qualquer Casa Espírita. O importante é que tais mensagens servem de grande lenitivo para quem teve um ente querido separado do convívio familiar, principalmente por violência, pois na maioria das vezes acreditam que o espírito que se foi continua em sofrimento. Também nos perguntam pessoas leigas ou descrentes, de como saber se tais mensagens não são embustes.

Realmente devemos estar atentos ao charlatanismo e exploração das pessoas que, no momento da separação, estão fragilizadas, mas quem tem de dizer se o conteúdo é fiel são as próprias famílias que recebem as psicografias, pois normalmente na dissertação aparecem pistas como apelidos, manias, linguajares ou diálogos que só os envolvidos é que tinham conhecimento na época que o espírito estava junto a família.

Interessante que na mensagem que esta semana foi visualizada por milhares de pessoas nas redes sociais, o espírito que se comunica confirma a autoria do crime, já que refere que sua mãe ficou frente a frente com o autor, o que ratifica o trabalho de investigação realizado pela polícia.

Esta não é a primeira vez que espíritos que se envolveram em ocorrências com vítima fatal dão detalhes através da psicografia. Uma das mais conhecidas foi a mensagem psicografada pelo médium Chico Xavier, narrada inclusive em filme, em que a vítima de morte acidental por disparo de arma de fogo isenta o autor do disparo, alegando ter sido acidente, resultando inclusive na absolvição do réu pela justiça. 

É importante que estejamos ligados a uma Casa Espírita, quem sabe frequentando os estudos, para que, no momento oportuno, sejamos agraciados pelos benfeitores espirituais com uma mensagem, pois muitas vezes estas ficam arquivadas nas Casas, já que as pessoas não vão procurar. Mas o principal disso tudo é que a misericórdia divina se processa e que constatamos que a morte é apenas uma passagem para outro plano. 

A vida continua. Gratidão é a palavra nesse momento!