terça-feira, 19 de junho de 2018

Sugestão de Filme

Sugestão de filme do blog EspiritualMente

Ano: 1993

Direção: Harold Ramis

Gênero: Comédia / Fantasia

Nacionalidade: EUA

Com: Bill Murray, Andie MacDowell, Stephen Tobolowsky

Sinopse: Um repórter (Bill Murray) de televisão, que faz previsões de meteorologia, vai a uma pequena cidade do interior fazer uma matéria especial sobre o celebrado "Dia da marmota". Pretendendo ir embora o mais rapidamente possível, ele inexplicavelmente fica preso no tempo, condenado a vivenciar para sempre os eventos daquele dia. 

Comentário: Um dos melhores filmes que assisti, faz o espectador refletir sobre a vida de uma maneira bem humorada e reflexiva. A frase perfeita para resumir o filme poderia ser a seguinte: "Faça do seu pior dia, o melhor da sua vida!" Podemos comparar a história ao processo de evolução do espírito, onde muitas existências são completamente em vão, voltadas apenas a satisfação dos desejos materiais, até atingir o despertar espiritual, o desejo pleno e desinteressado de praticar o bem.





sexta-feira, 8 de junho de 2018

Entrevista com Dâmocles Aurélio

Dâmocles Aurélio no blog EspiritualMente
Dâmocles Aurélio

Dâmocles Aurélio da Silva, nascido na cidade de Ribeirão/PE em 1949, é editor e colunista do Lampadário Espírita, um boletim informativo independente de educação espírita, cuja distribuição é gratuita.

Atualmente, é trabalhador espírita vinculado ao Centro de Estudos Espíritas Léon Denis, localizado no bairro do Curado IV no município de Jaboatão dos Guararapes/PE.

Dâmocles Aurélio no blog EspiritualMente
Tiago Rodrigues
Redator e colunista/Lampadário Espírita
Dâmocles Aurélio no blog EspiritualMente
João Batista
Redator/Lampadário Espírita
                
Contato: lampadarioespirita@bol.com.br


*          *          *


EspiritualMente - Como o senhor conheceu o Espiritismo? Qual a importância desta Doutrina em sua vida?

Dâmocles - Minha mãe era espírita. Desde cedo entrei em contato com o Espiritismo. Aos domingos à noite, aos 11 anos de idade, acompanhava meu pai à Federação Espírita Pernambucana, localizada na época na Rua da Concórdia, nº 533, no centro do Recife. Guardo boas lembranças. Lembro-me do poeta Fernando Vaz, com os seus óculos de lentes grossas, do Sr. Lírio Ferreira, com a sua costumeira polidez no trato com as pessoas. Às segundas-feiras à noite, acompanhava minha mãe ao Tattwa Cavalheiros da Luz, do Círculo Esotérico da Comunhão do Pensamento, então localizado à Rua da Palma, se a memória não me falha, no edifício Sael, também no centro do Recife. Nessa mesma época, aos sábados à noite, acompanhava meu pai à Loja da AMORC (Ordem Rosacruz). Portanto, desde a infância, sempre estive em contato com o Espiritismo e com as doutrinas espiritualistas. Por conta disso, quando cheguei a Casa Espirita, não estranhei e nem foi necessário participar da Evangelização Espírita.


EspiritualMente - Como surgiu a ideia de criar o boletim informativo Lampadário Espírita?

Dâmocles - Na verdade, o projeto não foi meu. Isto foi explicado na edição de nº 100 de janeiro de 2015. Fui convidado a participar após o jornal já existir. Mas surgiu a partir da necessidade que os companheiros perceberam. Confesso que um projeto como o Lampadário era um velho desejo que guardava, mas que não tive a coragem de por em prática.


EspiritualMente - Em 2018, o Lampadário completou 12 anos de existência. Que balanço o senhor faz deste projeto? Quais os desafios para mantê-lo em funcionamento?

Dâmocles - Em 2016, realizamos um encontro pela passagem dos dez anos de existência do Lampadário e, naquela oportunidade, eu disse que o boletim estava existindo graças a minha teimosia, isso porque os quatro companheiros que havia fundado o órgão, haviam saído sem dizer adeus, deixando toda a carga sob os meus cuidados. Pensei, pensei e decidi por continuar, porém, veio a crise pós-2016 e o projeto teve a tiragem reduzida de 300 para 50 exemplares, mas não encerrou. E hoje somos um dos periódicos com maior número de edições na história da imprensa espírita pernambucana.


EspiritualMente - Como o senhor avalia o papel da imprensa espírita nos dias atuais na divulgação do Espiritismo?

Dâmocles - Hoje a divulgação, com os recursos da internet, é fácil e barato; o difícil continua sendo a qualidade do conteúdo. Na internet, por exemplo, há muitos jornais online, com cores vivas e design artístico bonito, mas o conteúdo fica a desejar. São quase sempre jornais noticiosos, divulgando os eventos que vão ocorrer ou que já se realizaram. Dentre os sites que considero com conteúdo e de ótima qualidade doutrinária, destaco O Consolador - Revista Semanal de Divulgação Espírita, de Curitiba/PR. Há também o site Autores Espíritas Clássicos, que é uma verdadeira biblioteca espírita com dezenas de livros disponíveis para baixar. Então, vejo com otimismo o trabalho de divulgação atual. A tendência é melhorar. Pernambuco é que foi sempre reticente nesse campo, haja vista, conforme demonstra a história, o número de jornais ao longo do tempo é insignificante.


EspiritualMente - O que o senhor mais aprendeu no decorrer de todos esses anos de trabalho ativo no movimento espírita?

Dâmocles - Pergunta difícil! Aprendi que sou um espírito de 3ª ordem, beirando a 7ª classe. E que ainda tenho que "comer muito feijão" nas próximas existências (se ainda existir feijão)! 


EspiritualMente - Em meio a tantas crises, escândalos e crescimento da violência, quais suas perspectivas sobre a atualidade e o futuro do Brasil? Estamos no rumo certo?

Dâmocles - Quem passou por uma ditadura (1964-1985), pode dizer que vive atualmente no Brasil paraíso. Presidente da República sendo cassado (já foram dois), presidente sendo acusado de roubo, condenado e preso; deputados, prefeitos e governadores condenados e presos em presídios comuns. É o fim dos "Odoricos Paraguaçus". Crimes, crises e carestia sempre existiram. Não sei se estamos no rumo certo; sei apenas que a marcha do progresso põe o trem nos trilhos.


EspiritualMente - Você tem algum projeto ou objetivo a ser alcançado no trabalho espírita?

Dâmocles - Quando eu deixar de projetar o futuro, quando deixar de sonhar, não terei mais o que fazer. Projetos há, o que falta é a coragem de iniciar a realização do desejo. Freud dizia que o sonho é a realização do desejo. Sigo o caminho inverso, primeiro sonho e depois busco realizar o desejo.


EspiritualMente - Que mensagem você deixa para os visitantes, seguidores e colaboradores do nosso blog?

Dâmocles - O que eu posso dizer? Ariano Suassuna, em suas aulas-espetáculos, dizia que "pela frente a gente elogia e quando a pessoa sai, dizemos o que realmente pensamos". Foi uma grata  surpresa conhecer o blog EspiritualMente. Desejo a todos os visitantes, seguidores e colaboradores, um grande abraço fraterno e não deixem de estudar a Doutrina Espírita!


*          *          *

Agradecemos ao prezado amigo Dâmocles Aurélio por conceder esta entrevista!





segunda-feira, 4 de junho de 2018

O rosto da felicidade

Texto de Almir Paes no blog EspiritualMente

Certa vez, eu vi numa foto um rosto sorridente, inocente, singelo, de uma criança.

Ao fundo, por trás da foto, nos bastidores, vi a dura realidade social que envolve a sua vida: habitações sub normais (barracos), esgoto a céu aberto, lixo, roedores, contrastando ao semblante da criança feliz.

Não é que para ser feliz precisamos ser miseráveis, mas que não haja tanta vinculação da felicidade com ostentação, materialismo. A mídia nos bombardeia a toda hora com esses jargões: felicidade é ter lancha, roupas finas, casas suntuosas, com a real intenção de criar e manter o hábito de consumo nosso de cada dia. A pedido dos empresários, os marqueteiros, os psicólogos, sociólogos, estudaram o perfil social e comportamental do ser humano e apresentaram para eles um modelo mercadológico que cria dependência de consumo, tipo assim: "quem não consome o produto X não tem status social.

O direcionamento do mercado de consumo é voltado para todos, mas sobretudo para crianças e adolescentes que ainda estão formando suas personalidades. A estratégia dos empresários não é apenas vender, mas criar o ímpeto e uma certa dependência do consumidor para com o determinado produto. Algumas crianças já dizem que não vivem sem consumir tal salgadinho, tal chocolate, tal refrigerante etc. Daí, eles pressionam os pais e conseguem o que querem. Com isto, vai se formando, perigosamente, uma geração de crianças e jovens dependentes, obesos, angustiados e, o que é pior, depressivos. 

Veja até onde está chegando a volúpia de lucros desses empresários. Eles pouco estão ligando para ética, moral ou saúde pública. Eles só querem saber de auferir lucros bem exorbitantes.

A felicidade é um estado interior de cada um. É uma conquista individual das pessoas. O rosto da felicidade está na simplicidade dos fatos e ações e não nos bagulhos/trambolhos tecnológicos que tentam nos empurrar.

Texto de Almir Paes no blog EspiritualMente
Almir Paes
O Cronista da Alma

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Entrevista com a palestrante espírita Isabelle Figueirôa

Isabelle Sarmento no blog EspiritualMente
Isabelle Figueirôa

Isabelle Sarmento Figueirôa é formada em Jornalismo e Pedagogia. Trabalhou por 10 anos no Sistema Jornal do Commercio de Comunicação. Há 03 anos atua como Professora da Educação Infantil e Ensino Fundamental nas redes pública e particular do município de Jaboatão dos Guararapes/PE. 

É mãe de Heitor de 05 anos e à espera de Raul.

É trabalhadora voluntária do Lar Espírita Chico Xavier, localizado no bairro de Candeias no supracitado município.

Entrevista com Isabelle Sarmento no blog EspiritualMente
Trabalhadores do Lar Espírita Chico Xavier.
Isabelle à frente (lado direito e com as mãos no joelho)


*          *          *


EspiritualMente - Como você conheceu o Espiritismo? Qual a importância desta Doutrina em sua vida?

Isabelle - Sou espírita desde o ventre da minha mãe. Ela, junto com vovó Edna, frequentavam e eram trabalhadoras do lar Espírita Chico Xavier. Aos três anos, iniciei nas aulas de educação espírita infanto-juvenil, passando por todas as turmas, até adentrar à querida Mocidade Tio Chico. Não consigo imaginar minha vida sem a Doutrina Espírita, pois é ela que me acompanha, esclarece e consola desde os momentos mais tenros da minha atual existência.


EspiritualMente - Como expositora e palestrante, qual sua avaliação sobre o trabalho e os meios de divulgação da Doutrina realizada pelo movimento espírita nos dias atuais?

Isabelle - Em tempos de redes sociais, o Espiritismo no Brasil tem se aproveitado dessas ferramentas e acho válido: tirinhas, vídeos e postagens tornam os ensinamentos espíritas mais leves e próximo das pessoas. O grande escolho disso - e do movimento espírita como um todo - é o sutil, perigoso e danoso afastamento da base kardequiana. Allan Kardec não foi simplesmente o codificador do Espiritismo, ele é co-autor da obra, dedicou a vida para lançar essa Doutrina, analisando, pesquisando, comparando, refutando informações para que pudéssemos desfrutar de uma obra completa sob a tutela dos Espíritos Superiores.


EspiritualMente - O movimento espírita está cumprindo os seus objetivos na sociedade brasileira ou falta ainda alguma coisa?

Isabelle - Confesso que nunca fui muito engajada com o movimento espírita como um todo. Entendo a importância da unificação e união dos espíritas, mas desde a época da mocidade não me identificava com os encontros e seminários destinados aos jovens. Talvez porque o centro o qual frequento não seja vinculado a nenhuma federação, talvez porque a disciplina sempre foi nosso carro-chefe, talvez porque entenda que o movimento espírita se faça no nosso dia a dia, pelas nossas atitudes e exemplos... O que percebo é uma divisão desnecessária entre os espíritas, pois que é atrelada a questões de âmbito social e político (conservadores e progressistas, por exemplo). Penso que devemos nos preocupar muito mais com o que nos une do que o contrário.


EspiritualMente - Atualmente, observamos que, com exceção das Federações e das instituições de grande porte, a maioria dos centros espíritas sofre com o esvaziamento do público frequentador e com a carência de trabalhadores. Se os postulados espíritas como a imortalidade da alma, reencarnação, mediunidade etc., estão tendo uma melhor aceitação nos dias de hoje em nossa sociedade, como explicar essa ausência de público e de frequentadores?

Isabelle - O Espiritismo é uma doutrina comprometida com a transformação moral. Não é todo mundo que está preparada para abrir mão de uma situação confortável de vícios e prazeres para se dedicar ao próximo e à reforma íntima. É por isso que Jesus nos ensinou a Parábola do Semeador e, posteriormente, Kardec nos brindou com as categorias de espíritas: 1. Os que creem pura e simplesmente nos fenômenos das manifestações, mas que não lhes deduzem nenhuma consequência moral; 2. Os que veem o lado moral, mas o aplicam aos outros e não a si próprios; 3. Os que aceitam para si mesmos todas as consequências da Doutrina, e que praticam ou se esforçam por praticar a sua moral. A Mocidade Tio Chico já chegou a ter quase 60 voluntários, tínhamos mais de 10 turminhas de Evangelização e fazíamos um trabalho grandioso em qualidade e quantidade. Houve festas de Dia das Crianças que reunimos mais de 300 pessoas. Hoje em dia, trabalhamos com apenas duas turmas e a quantidade de crianças e adolescentes está bem reduzida. Os trabalhadores se revezam em escala e muitos acabam sobrecarregados.


EspiritualMente - Todo trabalhador espírita, principalmente aqueles que atuam no campo da divulgação, já vivenciou um fato curioso, inusitado e cheio de reflexão no desempenho da tarefa em questão. Você poderia nos contar alguma história?

Isabelle - Aos 15 anos, subi pela primeira vez numa tribuna espírita para narrar um conto e tecer alguns comentários. Lembro que, de costas para o público e de frente para o dirigente da mesa - que na época era o coordenador de infância -, chorei e disse que não ia conseguir. Ele, porém, incentivou-me no estilo Emmanuel, dizendo para eu me virar para o público e começar a falar. Engoli o choro e obedeci a ordem. Outro fato de que me recordo aconteceu há uns 10 anos. Fui convidada para dar uma palestra em outro centro. Ao final da minha explanação bateram palmas. Eu fiquei sem reação, porque sempre aprendi que tribuna espírita é lugar "santo" e deve ser respeitado, palmas portanto não convinham. Então eu disse ao público que as palmas deveriam ser para Jesus. Qual minha surpresa: as palmas não só não pararam como aumentaram de intensidade.


EspiritualMente - Em meio a tantas crises, escândalos e crescimento da violência, quais suas perspectivas sobre a atualidade e o futuro do Brasil? Estamos no rumo certo?

Isabelle - A melhor analogia para isso é o nascimento natural de uma criança. A mãe sente dores imensas, contrações quase insuportáveis, faz um esforço hercúleo, sangra, chora, tem o corpo dilacerado. Esta cena é quase de terror se todos não soubéssemos que dali nascerá um bebê. A Doutrina Espírita nos permite entendimentos que acalmam o coração em momentos de vicissitudes. O planeta Terra está passando por uma fase crítica, é o momento decisivo para muitos espíritos. Haverá dias melhores, sim. Para isso, precisamos controlar nossas crises, escândalos e violências internas. A marcha é de progresso, a lei é de evolução, a fatalidade é a perfeição.


EspiritualMente - Você tem algum projeto ou objetivo a ser alcançado no trabalho espírita?

Isabelle - Quando era criança, eu observava os jovens da mocidade trabalhando e desejava fazer parte daquele grupo. Aos 14 anos me tornei educadora espírita. Queria passar por todas as turminhas para ter uma experiência completa do trabalho. Aos 17 anos me tornei coordenadora do setor de Relações Públicas, daí em diante, assumi vários outros papéis nas coordenações de Infância, Juventude, Apoio, até chegar à direção da Mocidade. A essa altura minhas aspirações já expandiam os limites do grupo de jovens e eu arriscava algumas palestras aos sábados para as famílias da comunidade a qual assistíamos. Com o tempo, passei também a dar palestras em outros dias da semana. Fiz curso de passe e de mediunidade para colaborar em outras esferas. Participei por muitos anos das reuniões mediúnica e desobsessiva da casa até engravidar e ter filhos. A cada palestra me interessava mais por estudar o Espiritismo, foi quando começaram a surgir convites para falar em outras casas espíritas. Hoje aguardo confiante a oportunidade de participar do trabalho de atendimento fraterno.


EspiritualMente - Que mensagem você deixa para os visitantes, seguidores e colaboradores do nosso blog?

Isabelle - É importante você refletir e questionar tudo que ouve e lê. Mas para que esses questionamentos e reflexões tenham fundamento, é também importante o estudo, o aprimoramento moral e a prática da caridade. Dá pra ser espirita sem frequentar um centro? Sim, mas o sentimento de pertencimento a um grupo com ideais afins, a possibilidade de debater os preceitos da Doutrina, o compromisso com o trabalho voluntário, a oportunidade de fazer o bem e a troca fluídica com a Espiritualidade Superior, são incomparáveis!


*          *          *

Agradecemos a gentileza de Isabelle Figueirôa por conceder tão bela e reflexiva entrevista!



quinta-feira, 17 de maio de 2018

Mediunidade com saúde

Texto de Nilton Moreira no blog EspiritualMente
Mediunidade com saúde

Qual o motivo de muitos viverem adoentados, impossibilitados de levar uma vida normal e, o pior, ainda atrapalharem o cotidiano dos outros, principalmente de quem vive sob o mesmo teto?


Parece existir um conjunto de fatores que levam as pessoas a sentirem-se deprimidas e daí experimentarem mal estar rotineiro, sendo o principal o não seguir os conselhos do Mestre: "vigiai". Deixamos nossa mente sem a vigilância necessária, com pensamentos de amargura, orgulho, mágoa, maledicência se apoderarem de nós e o psicossoma então passa a ser envolvido numa psicosfera que age como banho negativo, inibindo nossas energias salutares.

O sensitivo americano Edgar Cayse, em certa ocasião, disse que "somos aquilo que pensamos", e Jesus na intenção de demonstrar a necessidade de estarmos com o pensamento elevado o maior tempo possível disse: "vigiai e orai". Ora, se temos parâmetros para uma boa saúde, por que evitamos? Apenas orar não neutraliza o ingresso no organismo dos miasmas pairantes. É preciso também vigiar!

Por outro prisma, tem pessoas com pensamentos elevados e que praticam o bem a outrem, mas que também enfrentam mal estares e que, pela medicina, são tidos como sem causa definida, sendo ministrados medicamentos que apenas combatem os sintomas, cuja medicação às vezes leva à dependência, por persistirem sintomas de insônia, angústia, depressão, dores de cabeça, palpitações, tremores, tonteiras, desmaios, visões, medos e outros.

Em verdade, muitos destes acometimentos relacionam-se com mediunidade que por ser desconhecida de muitas pessoas, passa a dar conotação de doença. Tal atividade existe desde os primórdios e está nos livros mais antigos. "Ser médium é servir de intercâmbio entre o plano carnal e o espiritual", sendo, portanto, atributo que não está ligado à religião alguma, pois é inerente ao ser humano.

A mediunidade explicada por Chico Xavier, por exemplo, tem a finalidade de auxiliar, pois que por meio dela podemos desenvolver atividades de caridade das mais diversas, incluindo curas, interpretação de sonhos, visão do futuro e ajudar aos que partiram encontrar o caminho do esclarecimento no mundo espiritual. Mas se a pessoa que sente os sintomas não quer praticá-la, poderá, estudando e se esclarecendo, experimentar melhora e voltar a ter uma atividade de vida normal, sem medicamentos, pois mediunidade não é doença. O que importa é procurar o esclarecimento para saber lidar com esta ciência, já que tudo que nos é desconhecido ou não sabemos lidar, nos causa medo, o que é normal.

Busquemos o conhecimento para que assim possamos ter uma vida com menos sofrimentos e conflitos mentais.

Paz a todos!


Nilton Moreira no blog EspiritualMente



Deseja ler outros artigos da Coluna Vida além da Vida? Segue o link: http://www.blogespiritualmente.com.br/search/label/Coluna%20Vida%20al%C3%A9m%20da%20Vida

sexta-feira, 11 de maio de 2018

Homenagem de Almir Paes ao Dia das Mães


Mamãe foi minha amiga, minha confidente, minha educadora.

Ela usou de benevolência e rigidez para me educar. Afinal, eu era uma criança diferenciada nas artes e nas travessuras.

Como eu sou muito calado, metido a resolver os meus problemas sozinho, foi ela quem me ajudou nos momentos mais difíceis da minha vida. Foram momentos que eu não tinha a quem recorrer para pedir ajuda.

Agora, quando estou em grandes dificuldades, quero procurá-la para me dar um abraço, para deitar no seu colo, mas sei que ela não está mais nesse mundo material. Aí, me dá uma saudade daquelas!

Mamãe, foi muito bom conviver contigo, aprender contigo, sonhar contigo... Eu te mando um abraço do tamanho da minha saudade!


Texto de Almir Paes no Blog EspiritualMente

Beijos do teu filho Almir Paes!

Feliz Dia das Mães... para as encarnadas e desencarnadas!


O Cronista da Alma no Blog EspiritualMente

Almir Paes
O Cronista da Alma


Deseja ler outros textos de Almir Paes? Então clique aqui: https://www.blogespiritualmente.com.br/search/label/Almir%20Paes

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Entrevista com Luiz Antonio Domingues da Web Rádio Portal da Luz

Web Rádio Portal da Luz no blog EspiritualMente
Luiz com a sua esposa Dilene

Luiz Antonio Domingues

Graduado em Publicidade e Marketing, Pós-Graduado em Tutoria EAD, funcionário público estadual na área da saúde e espírita desde a infância.

Faz parte do Centro Espírita Portal da Luz, em Dourados (MS), atuando como coordenador de divulgação.

É diretor da Web Rádio Portal da Luz.

Web Rádio Porta da Luz no blog EspiritualMente


*          *          *

EspiritualMente - Como você conheceu o Espiritismo? Qual a importância desta Doutrina em sua vida?

Luiz - Nasci em um lar espírita, então desde o berço venho trilhando pelos caminhos do Espiritismo. Avalio que somente através desta Doutrina maravilhosa é que estou conseguindo dar lentos passos na evolução do meu espírito imortal.


EspiritualMente - Qual sua avaliação sobre o trabalho e os meios de divulgação da Doutrina realizada pelo movimento espírita nos dias atuais?

Luiz - O movimento espírita atualmente está divulgando em todos os espaços possíveis nas mídias sociais, nos sites, web rádios e TV, nas revistas, jornais, enfim, a produção do bem está a todo vapor em prol de levar adiante os mandamentos de Nosso Senhor Jesus Cristo, baseado no "amai-vos uns aos outros como eu vos amei".


EspiritualMente - Como surgiu a ideia de criar a Web Rádio Portal da Luz?

Luiz - A Web RPL nasceu em 25 de junho de 2011. Muitas pessoas não sabem, mas foi através da dor que surgiu a inspiração para criá-la. Em um momento de depressão, síndrome do pânico e obsessão, morando na época sozinho em Campo Grande (MS), somente conseguia superar as noites, sem possivelmente cometer um suicídio, ouvindo a Rádio Boa Nova de São Paulo. Sintonizava na parabólica e ficava ouvindo, quando então conseguia adormecer. Depois de passar por esses tormentos, já mais equilibrado, pensei que poderia ajudar outras pessoas, assim como eu mesmo recebi ajuda. Nosso site de acesso é e nosso slogan: "Divulgando o amor".


EspiritualMente - Fale-nos um pouco da programação da Rádio. Qual o principal foco (divulgação doutrinária ou musical) da emissora?

Luiz - Como a internet é mundial, globalizada, e temos brasileiros residentes em todos os cantos do mundo, surgiu a necessidade de se ter a programação em horários alternativos que contemplem os mais variados fusos horários do planeta, mesmo porque a Web RPL já foi acessada em mais de 50 países. Nosso foco principal são os programas espíritas, músicas espíritas, mensagens espíritas e transmissões ao vivo, ou seja, englobamos todos os segmentos.


EspiritualMente - A Web Rádio Portal da Luz está no ar desde 2011. Como você avalia os resultados obtidos durante esses quase 07 anos? Quais as dificuldades de manter um projeto como esse?

Luiz - Os resultados até então são animadores, já estamos com mais de 1 milhão de acessos em nosso site. Nossa maior dificuldade ainda é a financeira, pois hoje em dia existem muitos avanços tecnológicos e temos dificuldade para implantá-los, necessitamos de doações para tais investimentos, em nosso site tem o botão de Doação Segura do PagSeguro. De resto, a espiritualidade ajuda em tudo. Então vejo tudo como desafios suplantados com a força deles, porque jamais conseguiria sem a total ajuda deles.


EspiritualMente - Em meio a tantas crises, escândalos e crescimento da violência, quais suas perspectivas sobre a atualidade e o futuro do Brasil? Estamos no rumo certo?

Luiz - A perspectiva é de que possamos sair destas provas, expiações e adentrar logo na era da Regeneração com uma mensagem que nosso querido Chico Xavier recebeu: "tudo passa!"


EspiritualMente - Você tem algum projeto ou objetivo a ser alcançado no trabalho espírita?

Luiz - Estamos com um projeto de cobertura de transmissões ao vivo nas casas espíritas, ao invés de grandes congressos elitizados. Fazemos a cobertura na região da Grande Dourados e no Triângulo Mineiro com o Sr. Hélio, com um pool de emissoras web rádios que "linkam" em nossa transmissão e fazem a retransmissão: Web Rádio Doutrina (RJ), Web Rádio Cidade de Teófilo Otoni (MG), Web Rádio Sementes de Amor de Campo Grande (MS) e Web Rádio San Francisco de Tobias Barreto (SE).
Web Rádio Portal da Luz no EspiritualMente
Sr. Hélio Dias

EspiritualMente - Que mensagem você deixa para os visitantes, seguidores e colaboradores do nosso blog?

Luiz - Estamos abertos a todas as casas espíritas para divulgar notícias, eventos etc. Basta entrar em contato através do nosso endereço eletrônico - radioportaldaluz@gmail.com - ou por telefone: (67) 9948-4173. Estamos também em todas as redes sociais como Twitter ( rd@portaldaluz ), Facebook ( facebook.com/webradioportalluz ) e canal do YouTube ( youtube.com/user/luigiangelms ).


*          *          *

Agradecemos a colaboração e a gentileza de Luiz Antonio Domingues em conceder esta entrevista! 



segunda-feira, 7 de maio de 2018

Qual é a tua obra?

Sugestão de livro do blog EspiritualMente

"A ideia de trabalho como castigo precisa ser substituída pelo conceito de realizar uma obra... Enxergar um significado maior na vida aproxima o tema da espiritualidade do mundo do trabalho". 


O filósofo e educador Mário Sérgio Cortella publica pela Editora Vozes um texto envolvente sobre as inquietações do mundo corporativo. O autor desmistifica conceitos e pré-conceitos, e define o líder espiritualizado como aquele que reconhece a própria obra e é capaz de edifica-la, buscando incessantemente o significado das coisas.

sexta-feira, 4 de maio de 2018

Aniversário de 73 anos do Educandário Espírita Joana D'Arc

Parabéns ao Educandário Espírita Joana D'Arc e a todos(as) que fazem esta instituição!

Estaremos nesta querida casa no próximo dia 08/05.

Segue a programação de aniversário!


Programação divulgada no blog EspiritualMente

Clique aqui para uma melhor visualização:





quarta-feira, 25 de abril de 2018

A triste realidade no movimento espírita

Recentemente, um grande amigo nos falou que ganhar dinheiro com blog espírita não era fácil! 

Essa afirmação aguçou bastante a nossa reflexão. Decidimos, então, escrever algumas linhas a respeito desse assunto.

Artigo de Manoel O. Guimarães Jr


Quando criamos o EspiritualMente - Reflexões à Luz do Espiritismo nossa intenção não era ganhar dinheiro com o blog. Confessamos que, no decorrer desses 15 meses de funcionamento, em alguns períodos, tentamos sensibilizar algumas empresas no sentido de se tornarem apoiadoras/patrocinadoras do nosso projeto. Mas, infelizmente, não obtivemos êxito!

Na realidade, essa procura por um apoio/patrocínio não foi visando lucros financeiros que, aliás, se tivesse sido concretizado, seria de um valor simbólico, o suficiente para uma ajuda de custo referente a manutenção da anuidade do domínio próprio (.com.br) e, quem sabe, ampliar os trabalhos do projeto, melhorando a divulgação, fazendo promoções etc.

Todavia, o que mais nos deixa decepcionados não é a ausência de apoio e patrocínio ao nosso blog.

O que mais nos deixa tristes é a falta de consideração, de reconhecimento e de valorização da maioria do público espírita ao nosso trabalho.

Para se ter uma ideia, já convidamos dezenas de pessoas para uma simples entrevista. Considero uma entrevista uma coisa tão bacana, uma homenagem, uma forma de prestigiar e divulgar o trabalho daquele convidado. É impressionante como essas pessoas fugiram a este convite. E o que é pior, fugiram de uma maneira totalmente deselegante, sem dar nenhuma desculpa ou satisfação. Nem sequer agradeceram ao convite! Lamentável!

Esta triste realidade não acontece apenas no mundo virtual, em convites para entrevistas. No mundo real acontece outras coisas também lamentáveis!

Observamos em alguns centros espíritas que, quando o palestrante é da casa ou de algum centro vizinho, o público é bem pequeno. Quando o palestrante convidado é "famoso", a casa fica repleta de frequentadores. Até os "trabalhadores" sumidos do centro aparecem para prestigiar o renomado expositor!

Há alguns anos atrás, sem que a gente soubesse, uma querida irmã, que conhecia e acompanhava o nosso trabalho, indicou o nosso nome a uma instituição para a realização de uma palestra. A pessoa responsável pela escala mensal dos palestrantes disse que para fazer exposição naquele centro era preciso conhecer o "currículo", saber as habilidades do palestrante na execução dos temas, em quantas e quais eram as casas que ele já havia realizado palestras etc. etc. Parecia até uma seleção para concorrer a uma vaga de emprego!

Infelizmente, é uma triste realidade!

Temos nas mãos uma doutrina fantástica, um acervo riquíssimo de conhecimentos para a vida material e espiritual mas, infelizmente, ainda não conseguimos assimilar e praticar uma grande parte desses postulados. E muitas vezes em coisas tão simples e banais do cotidiano. Muitos de nós, espíritas, ainda alimentamos o preconceito conosco mesmos, não valorizando aquilo que está ao nosso redor.

Em parte, lamentamos essa realidade no meio espírita. Mas, por outro lado, isso nos motiva a continuar lutando para mudar essa tendência. Esse panorama foi um dos motivos para a criação do EspiritualMente. Queríamos quebrar paradigmas, democratizar o espaço para todos os espíritas, daquele que faz faxina em um centro até o mais renomado palestrante. Divulgamos e prestigiamos o trabalho e o talento de pessoas anônimas, desconhecidas. Até mesmo para aquelas pessoas que dizem não ser espíritas, mas desenvolvem trabalhos e atividades de cunho espiritual, procuramos dar a devida atenção e espaço.

Nossa intenção, neste artigo, não foi criticar o movimento espírita, nem tampouco gerar polêmicas ou debates calorosos. De acordo com o nosso slogan, queríamos apenas lançar uma reflexão à luz do Espiritismo para todos os espíritas!

Paz e luz para todos(as)!



Manoel O. Guimarães Jr.
Administrador - EspiritualMente


sexta-feira, 20 de abril de 2018

Como e por que escrever?

Hoje pela manhã, eu estava  conversando com Eliel, pai de uma criança que faz terapia com a minha filha.

Ele me perguntou  como eu interagia praticidade, erudição e popularidade nas minhas crônicas. Fiquei, ao mesmo tempo, alegre e perplexo. Alegre pelo fato dele ser meu leitor, e perplexo por ele conhecer e comentar o sentido de algumas frases que já escrevi. 

Contei a ele um pouco da minha história de vida, minhas experiências e vivências sindicais, comunitárias, a paixão pela leitura, para ele entender melhor o processo de criação do conteúdo diversificado das minhas crônicas.

Chegando em casa, a conversa com Eliel não me saía da cabeça e daí surgiu mais essa crônica:

Como e por que escrever?



Eu gosto de escrever.

Escrevo crônicas, prosas, poemas...

Escrever não é só técnica, mas sobretudo experiência, vivência, convivência, sensibilidade.

Escrever é aprender e apreender com a vida. É a arte de descobrir o imperceptível, desvendar as lentes da alma e da natureza.

Eu já fui empregado, empregador, autônomo, sindicalista, líder comunitário, editor de jornal de bairro. Aprendi e aprendo todos os dias com os usos e costumes da população. Por isso, fui presidente da Associação de Moradores do bairro do Prado, no Recife, como também editor e redator do jornal deste bairro, entre outras experiências populares.

Entrei em muitas vielas, "correios de quarto", favelas... sempre observando e aprendendo com as pessoas.

Conheci essa gente sofrida, essa gente humilde, essa gente incompreendida, essa gente sábia.

Os livros que tenho lido e os que possuo em minha biblioteca, tem me ajudado a construir essa ponte entre a sabedoria das pessoas e a palavra escrita, a palavra do mundo. Um bom livro, uma boa crônica, um bom poema, é a porta que dá acesso aos nossos sentimentos presos, amordaçados, por uma sociedade imediatista, acelerada.

Todo escritor deve fazer uma boa leitura da sociedade adjacente, da sociedade contemporânea. A leitura do mundo e da vida deveria ser sempre a meta de quem escreve. De outra forma, o livro, a crônica, não passam de um amontoado de palavras desgastadas, sem nenhum significado emocional.

Escrever é colorir as lentes da alma, é destravar as portas do coração.

Almir Paes
O Cronista da Alma



quinta-feira, 19 de abril de 2018

Entrevista com a jornalista Melissa dos Santos

Melissa dos Santos

É carioca, jornalista atuante, filha, esposa e mãe de dois filhos (o mais novo com 5 meses). Formada em Comunicação Social com bacharelado em Jornalismo, fez também Pós-Graduação em TV Digital e Novas Mídias pela UFF. Já passou por diversas emissoras de TV, mas atualmente é Editora-Chefe do SBT Rio Manhã e editora do SBT Rio. 



É trabalhadora espírita e articulista voluntária do Correio Espírita, administradora e uma das idealizadoras da página Notícias que Quero (dedicada a compartilhar matérias positivas no Facebook).


*          *          *

EspiritualMente - Como você conheceu o Espiritismo? Qual a importância desta Doutrina em sua vida?

Melissa - Todos temos momentos marcantes no decorrer dos anos. O Espiritismo foi um divisor de águas na minha vida. A Doutrina me fornece todas as respostas e o consolo de que tanto preciso, me ajuda no importante processo de autoconhecimento e melhoria, e me faz enxergar o quão perfeito é Deus e toda a criação Dele. Diz Allan Kardec no capítulo VI, item 4, de "O Evangelho Segundo o Espiritismo": "o Espiritismo realiza o que Jesus disse do Consolador Prometido: conhecimento das coisas, fazendo que o homem saiba donde vem, para onde vai e por que está na Terra; atrai para os verdadeiros princípios da Lei de Deus e consola pela fé e pela esperança". Pegarei essa frase como um resumo perfeito da importância dessa amada Doutrina de Luz. A mediunidade sempre fez parte da minha vida. Mas quando criança e adolescente, eu não entendia muito bem o que realmente representava, sentia medo ou acabava fazendo coisas erradas. No início da minha adolescência, por volta dos 13 anos, um tio me sugeriu que eu lesse o livro "Há dois mil anos", de Emmanuel, psicografia de Chico Xavier. Eu amei o romance! Com base no livro, meu tio me chamou para uma longa conversa, onde me falou sobre a Doutrina Espírita pela primeira vez. Alguns anos depois, já com uns 16 anos, um amigo da escola me deu o "Livro dos Médiuns". Porém, só aos 27 anos que comecei realmente ler mais a Codificação. Até que, depois de vários acontecimentos, senti a necessidade de me fixar em um porto seguro, estudar e trabalhar. Foi quando uma amiga me levou ao Grupo Espírita André Luiz, no bairro do Maracanã, zona norte do Rio de janeiro. E a identificação foi imediata! Estou lá até hoje. O Espiritismo me abriu um mundo novo de descobertas e oportunidades. Hoje sei que a mediunidade é algo natural, mas de grande responsabilidade. Entendo melhor o que se passa ao meu redor e dou mais valor a tudo que vivo. Tento refletir um pouco desse agradecimento que sinto em meu coração em todas as oportunidades de trabalho e vivência que Jesus me concede nesta existência.


EspiritualMente - Você é articulista do Correio Espírita. Seus artigos assemelham-se a reportagens onde você aborda um determinado assunto ou evento sob a ótica espírita. Como você percebe atualmente a recepção e a compreensão dos leitores, principalmente daqueles que dizem não ser espíritas, em relação ao Espiritismo?

Melissa - A recepção geralmente é muito boa. Mas há aqueles que também não concordam. E temos que respeitar isso. Uma vez recebi um e-mail muito interessante de um professor que se disse ateu. O mesmo contradisse vários trechos da matéria com o ponto de vista que ele tinha. O professor escreveu de maneira respeitosa e com as críticas me fez estudar ainda mais sobre o que eu havia escrito. Pena que um problema no meu e-mail impediu que eu o respondesse e o agradecesse. Quem sabe esse professor não lê por aqui e me passa novamente aquelas colocações? Acho muito interessante termos pontos de vista diferentes sobre um mesmo assunto. Acho que podemos enriquecer em conhecimento assim. Por isso, todas as críticas, positivas ou negativas, são bem vindas. Todas representam aprendizado. Mas, como disse acima, a maioria dos retornos que tenho são positivos. Acredito que isso aconteça porque, quando escrevo para o Correio Espírita, procuro embasar tudo ao máximo na nossa Doutrina de Luz. E o Espiritismo reforça os ensinamentos de Jesus e as Leis de Deus. O que eu tento fazer na maior parte das minhas matérias no Correio Espírita ou em qualquer outro local que eu as publique (sendo em um meio de comunicação espírita ou não), é aguçar o pensamento, o raciocínio, a curiosidade... Nós estamos em uma Doutrina que preza pela fé que se coloca frente a frente com a razão. Então temos que sempre, em qualquer assunto ou caso, parar para refletir. E como cristãos, devemos pensar: "como o Mestre faria nessa situação?" e levar isso adiante, essa corrente de amor, mesmo que não agrade a todos ainda.


EspiritualMente - Uma das temáticas presentes em seus artigos é a questão social, principalmente no que se refere a violência contra a mulher, a redução da maioridade penal e as drogas. Como você vê este atual cenário social que o nosso país está enfrentando?

Melissa - Acho que o mundo está passando por um processo forte de mudança. Temos livros espíritas que nos explicam da transição planetária já vigente. Eu costumo comparar o momento com uma reforma dentro de casa. Durante a obra é um caos, poeira para todos os lados, bagunça, barulheira, dinheiro gasto, descoberta de outras coisas para consertar... A impressão que nós temos é que a obra não vai acabar nunca, que os pedreiros não vão dar conta do recado, que viveremos eternamente no caos... Bate aquele desespero! E é preciso ter persistência, esperança, fé, muito trabalho e paciência. Com o tempo, pouco a pouco, tudo vai se ajeitando. Quando percebemos, a reforma acabou, a obra deu certo e tudo ficou lindo! Eu acredito que isso acontecerá também com o nosso planeta. Estamos agora no momento caótico da obra, mas depois, se fizermos a nossa parte direitinho, poderemos ver a beleza da construção do mundo melhor. E dentro de toda a caridade que podemos fazer, estão a de não se calar em um momento tão crítico, de se posicionar (sempre com amor, respeito e tolerância), de tentar esclarecer mentes (sem forçar a ninguém a ter o mesmo pensamento), de ter esperança (não podemos esquecer que Jesus está no leme desse grande barco chamado Terra) e de colocar a mão na massa, ajudando ao próximo e assim também sendo ajudado, na medida do possível de cada um. Por exemplo, estamos em ano de eleição. Olha a nossa responsabilidade! Devemos pensar bem antes de votar, estudar cada candidato, saber o que ele fez, quais as propostas... Como cidadã carioca e espírita, acredito que não devo fechar os olhos para a criminalidade no Rio de Janeiro, para o povo desamparado, para os servidores sem salário, as crianças sem escolas, a violência crescente, entes queridos mortos, líderes/ativistas políticos executados... Mas também, como cidadã espírita, tenho que agir dentro dos preceitos do Cristo, com caridade, amor, espalhando esperança, bom ânimo, sendo tolerante, abraçando essas pessoas que sofrem, que buscam ajuda e entendendo o momento de cada um. Vigiando sempre, a começar pelos pensamentos e comentários (inclusive e principalmente nas redes sociais). E orando aos amigos espirituais e a Jesus para que consigamos ter "os olhos de ver e os ouvidos de ouvir". É como nos esclarecem os espíritos na lição 639 de "O Livro dos Espíritos": "cada um será punido, não só pelo mal que haja feito, mas também pelo mal a que tenha dado lugar". Em outras palavras, não podemos nos omitir, fingir que não estamos sabendo ou simplesmente não fazer diretamente o mal, isso porque o bem que deixamos de fazer pode prejudicar alguém, e teremos que responder por isso.


EspiritualMente - Outra temática presente em seu trabalho são os jovens. Você acha que a juventude atual do nosso país está cumprindo bem o seu papel na sociedade como fez a juventude de outras épocas?

Melissa - A juventude tem um papel fundamental em uma sociedade. Ela nos faz confrontar passado com presente e instiga ao avanço para o futuro. Por isso, é muito importante dar atenção e espaço para os jovens. Eu acho que a nossa juventude está levantando bandeiras muito interessantes, voltadas para o bem e o melhor. E nós devemos apoiá-los naquilo que fazem de certo e sinalizar aonde estão errando. Não devemos subestimar a inteligência, vivência ou atitude deles. Mas não posso falar de jovens sem citar a importância da família. O núcleo familiar deve estar ciente dessa responsabilidade. Jesus nos concede a benção dos filhos, dos netos, para que possamos cuidar deles, ensiná-los, acompanhá-los. Educar significa também mostrar em exemplos que fazer o bem é bom, que é importante respeitar, ser caridoso, que devemos "amar ao próximo como a si mesmo"... Daí a importância também da Evangelização e do Culto no Lar para nós espíritas. Lembrando sempre que as crianças de hoje serão os jovens de amanhã, assim como os jovens de hoje serão os adultos de amanhã. Não podemos esquecer que, independentemente da crença, somos todos uma grande família, e se estendermos as nossas mãos uns para os outros, teremos um mundo de paz.


EspiritualMente - Qual sua avaliação sobre o trabalho e os meios de divulgação da Doutrina realizada pelo movimento espírita nos dias atuais?

Melissa - Como uma boa comunicóloga, acredito que divulgação nunca é demais. Porém, mais importante do que divulgar, é saber o que, por que e como essa divulgação vai ser feita. E no caso específico da Doutrina Espírita, é preciso ter planejamento, cautela e muito, muito, muito estudo. Mas pelo o que eu tenho acompanhado, o meio espírita cresceu bastante em divulgação, principalmente no que tange a tecnologia e as redes sociais. Hoje temos, além de jornais e revistas, canais de estudo na internet, palestras ao vivo e online, músicas em diversos ritmos, programação a cabo, filmes e até enquetes e curtas que nos fazem refletir e nos ajudam a estudar. A divulgação também tem um outro lado, que é o da exposição maior. E é sobre isso que temos que ter muito cuidado. Vejo pessoas querendo "tirar proveito" do crescimento do Espiritismo para conquistar os minutos de fama ou os likes que desejam nas redes sociais. Vejo também estudos, talvez até bem intencionados, mas com conteúdo errado. Vejo até textos compartilhados em Whatsapp, com assinatura de mentores ou de personalidades, que trazem contradições aos ensinamentos da Codificação. Como tudo na vida, a divulgação também tem o lado positivo e negativo. Para nós, resta o discernimento, sem ofender e sem polemizar. E para ter esse discernimento necessário, só estudando muito e colocando o amor de Jesus em cada situação.


EspiritualMente - Nesses agitados e estressantes dias de hoje, é difícil manter uma boa conduta espírita? Quais os maiores desafios?

Melissa - Acho que para a grande maioria, e eu me incluo nisso, é difícil manter uma boa conduta espírita, uma boa conduta cristã, porque ainda estamos muito presos aos prazeres materiais. Quando leio em "O Livro dos Espíritos", os comentários de Allan Kardec na lição 918, que "o verdadeiro homem de bem é aquele que pratica a lei de justiça, de amor e de caridade na sua mais completa pureza", percebo que ainda tenho um longo caminho pela frente. Para mim, o maior dos desafios é o autoconhecimento. Só com ele que conseguimos enxergar as vicissitudes que ainda temos e, assim, iluminá-las até se metamorfoseiem em virtudes.


EspiritualMente - Você tem algum projeto ou objetivo a ser alcançado no trabalho espírita?

Melissa - Meus objetivos com o trabalho espírita são agradecimentos pela bênção da Doutrina na minha vida e crescimento espiritual. Sou muito grata por todas as oportunidades que tive. Sobre projetos, penso em ter um dia um blog ou vlog para que possa falar mais sobre Espiritismo e, principalmente, remeter assuntos do dia a dia à luz da Codificação. Mas, por enquanto, isso está apenas no campo das ideias, sendo amadurecido. Também estudo a possibilidade de escrever um livro infanto-juvenil sobre as virtudes.


EspiritualMente - Que mensagem você deixa para os visitantes, seguidores e colaboradores do nosso blog?

Melissa - Minha mensagem atualmente tem sido esperança. Acho que temos que nos apegar mais ainda na fé, no trabalho cristão, na caridade durante esses tempos difíceis pela qual todos estamos passando. A começar pela família, mas sem esquecer também do ambiente de trabalho, do Centro Espírita e de todos os locais em que nos encontramos, seja presencialmente ou virtualmente. Que tenhamos muito amor em nossos corações, que lembremos dos ensinamentos do Mestre ao nos olhar no espelho, ao falar com um irmão ou até mesmo escrever um comentário nas redes sociais. O Espiritismo não nos exige nada, não tem dogmas, não tem proibições. Mas ele nos dá as ferramentas necessárias para que caminhemos de maneira reta, e para que cumpramos com o nosso dever.


*          *          *

Agradecemos a gentileza e a simpatia da querida irmã Melissa dos Santos por ter concedido esta bela entrevista!