segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Aprendendo com Clarice


No último dia 23 de janeiro, nossa filha, Clarice, completou 10 anos. Ela é portadora do Transtorno do Espectro Autista.

Desde que ela nasceu, estamos fazendo um curso intensivo de como viver e conviver melhor. A nossa vida mudou bastante.

Com ela estamos aprendendo a comunicação pelo olhar, pelo choro, pelo tato, saindo um pouco da usual, a comunicação verbal.

Com ela estamos voltando a ser criança, descobrindo as belezas da vida nas coisas mais simples, muitas vezes despercebidas pelo olhar racional e objetivo de um adulto.

Com ela estamos trabalhando e administrando melhor os nossos defeitos e aprendendo a exacerbar as nossas virtudes.

Com ela estamos exercitando a coragem. Para educar, num mundo como o nosso, ficamos expostos a todo tipo de dor. Para isso, é necessário muita coragem.

Com ela estamos educando os nossos espíritos a serem mais pacientes, mais fortes, mais humanos. Com o seu sorriso contagiante, estimulante, estamos reaprendendo a sorrir, a brincar, a cantar músicas infantis.

Com ela estamos desenvolvendo a criatividade que foi se perdendo ao longo do tempo. 

Com ela estamos aprendendo a amar o mundo, as pessoas, ao invés de amar só a nós mesmos. 

Que Deus abençoe Clarice e conceda a ela saúde, paz e luz.

Ela é, sem dúvida, o maior presente que recebemos do Criador!


Almir Paes
Educandário Espírita Joana D'Arc
Recife/PE


sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Coluna Vida além da Vida: Desencarnes com acidentes


       Segundo informações publicadas nos mais diversos veículos de comunicação, no recente feriado de Natal, foram registradas 79 mortes em razão de acidentes de trânsito. Isto só nas rodovias federais do Brasil, pois se formos contabilizar os desencarnes acontecidos nas demais rodovias, incluindo os perímetros urbanos das cidades, somados ao feriado de Ano Novo, as vítimas passarão de 200.


       É verdade que o passamento de todos nós é uma realidade que temos de enfrentar, afinal este momento chega para todos, mas muitas vezes pela imprudência, negligência ou imperícia damos causa para que isso aconteça.


         Para quem parte, dependendo de como viveu na Terra, não influi a maneira como aconteceu, mas para quem fica é bem traumático ver seu ente querido partir violentamente, quando poderia desencarnar em condição de menos sofrimento.


        É lamentável que exista tanta irresponsabilidade por parte de motoristas que ainda insistem em dirigir em velocidade fora dos limites de segurança, ou sob efeito de bebida alcoólica, drogas, não só colocando em risco sua vida, mas sendo responsável por ceifar a trajetória reencarnatória daqueles que perecem. Sujam as mãos de sangue como se diz popularmente. Certamente, esses são os causadores dos "escândalos" mencionados por Jesus, e terão uma triste chegada quando forem para o Plano Espiritual, pois terão de prestar contas e com certeza resgatarem as irresponsabilidades cometidas.


        Muito se avançou na legislação de trânsito, mas o dirigir se faz necessário um salto na moralidade de cada um, para que desperte o senso de responsabilidade. Desencarnam mais pessoas em feriadões do que em alguns locais onde existe guerra. Isso é inadmissível!


        Deus permite que tais desgraças aconteçam, pois ainda vivemos num planeta de categoria onde predomina o mal e, sendo assim, como explicado na literatura, o mal não precisaria existir, mas ele é uma consequência da falta do bem.


         Façamos a nossa parte com responsabilidade, seja no trânsito ou em qualquer outra atividade, e estejamos certos de que contribuiremos para a melhoria da aura planetária, carreando evolução e certamente teremos uma vida melhor e um retorno à espiritualidade com menos violência, amparados pelos benfeitores espirituais, mensageiros do Mestre.




sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Música para Refletir



Amar é
(Roupa Nova)

Amar é quando não dá mais pra disfarçar
Tudo muda de valor
Tudo faz lembrar você

Amar é a lua ser a luz do seu olhar
Luz que debruçou em mim
Prata que caiu no mar

Suspirar, sem perceber
Respirar o ar que é você
Acordar sorrindo
Ter o dia todo pra te ver

O amor é um furacão, surge no coração
Sem ter licença pra entrar
Tempestade de desejos
Um eclipse no final de um beijo

O amor é estação, é inverno, é verão
É como um raio de sol
Que aquece e tira o medo
De enfrentar os riscos, se entregar

Amar é envelhecer querendo te abraçar
Dedilhar num violão
A canção pra te ninar



terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Sugestão de Filme


Ano: 2012

Direção: Breno Silveira

Nacionalidade: Brasil

Gênero: Drama

Com: João Miguel, Vinícius Nascimento, Dira Paes

Sinopse: Para fugir dos traumas do passado, o caminhoneiro João (João Miguel) resolve deixar sua cidade natal para trás e cruzar o país. Ele dirige Brasil afora, sempre solitário, até que numa de suas viagens descobre que o menino Duda (Vinicius Nascimento) se escondeu em seu caminhão. Duda é órfão de mãe e está à procura do pai, que fugiu para São Paulo antes mesmo dele nascer. A contragosto, João aceita levá-lo até a cidade mais próxima. Entretanto, durante a viagem nascem elos entre os dois, que faz com que João tenha coragem para enfrentar seu passado.

Comentário: A Providência Divina sempre nos concede oportunidades para que a gente possa reparar nossos erros e equívocos do passado. Muitas vezes, esse passado não é tão antigo assim, não está em outras vidas, encontra-se bem próximo de nós, no momento presente. Além disso, o remédio para as nossas aflições e tristezas se encontra na maioria das vezes no simples ato de ajudar o próximo. Esta é a grande mensagem do filme. Embalado pelas músicas de Roberto Carlos e por belas frases de para-choques de caminhões, a história consegue emocionar e inspirar o espectador.



quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Em busca da cor


Pedrinho passava horas admirando as flores na estufa de seu pai. Com seus quase oito anos, muito curioso, certo dia enquanto seu pai preparava um vaso para mais uma muda de rosas, exclamou:

- Ah, como são lindas essas flores, quantas cores! Tá vendo papai? Não tem nenhuma flor preta, é uma cor tão feia que nem as flores quiseram!

- Ora filho, naõ fale assim! A cor preta é como outra qualquer. Tem o seu lugar e tem quem as prefira. Sabe filho, as cores não existem!

- Como não existem? Elas estão aí, eu estou vendo!

- Não filho, você não está vendo a cor, você está vendo as flores!

A noite chegou e, por sinal, era uma noite sem lua e sem estrelas, um anúncio de temporal. O pai aproveitou para mostrar ao filho que as cores não existiam realmente. Apagou as luzes de casa e chamou seu filho para ir até a estufa.

Já dentro da estufa, o pai tratou de apagar as luzes também. Daí pediu ao garoto:

- Filho, pegue uma flor para mim. Ah, mas tem que ser uma vermelha!

- Pai, eu não consigo enxergar a cor das flores!

- Está vendo filho, você consegue tocar na flor, na cor não. Todas as cores pertencem à luz. Se a luz nunca mais voltar, nunca mais teremos cor. Por isso, ela não existe. E a cor que você achava feia é a que iríamos conviver se nunca mais a luz voltasse. Agora eu lhe pergunto filho, no escuro você saberia identificar quem é branco ou negro apenas com o toque das mãos? Será que é preciso viver na escuridão para que a gente entenda que todos nós somos iguais?


Élia Macedo
Centro Espírita Bezerra de Menezes
Canavieiras/BA



sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Li e Recomendo!


Estimular as pessoas a pensar, refletir, reformular seus próprios conceitos de vida e, consequentemente, se tornarem melhores. Este é o grande objetivo de Convite à Reflexão. 

Como o próprio título sugere, o livro convida todos os leitores a refletirem sobre os mais variados e polêmicos temas que fazem parte do nosso cotidiano: Deus, o amor, a felicidade, a vida, a opinião pública, a morte etc. Estes assuntos são abordados de forma leve e descontraída, através da análise de histórias, fábulas e frases de autores conhecidos e anônimos.

Uma leitura ideal para momentos de meditação!

Para adquirir o livro acesse: