terça-feira, 19 de junho de 2018

Sugestão de Filme

Sugestão de filme do blog EspiritualMente

Ano: 1993

Direção: Harold Ramis

Gênero: Comédia / Fantasia

Nacionalidade: EUA

Com: Bill Murray, Andie MacDowell, Stephen Tobolowsky

Sinopse: Um repórter (Bill Murray) de televisão, que faz previsões de meteorologia, vai a uma pequena cidade do interior fazer uma matéria especial sobre o celebrado "Dia da marmota". Pretendendo ir embora o mais rapidamente possível, ele inexplicavelmente fica preso no tempo, condenado a vivenciar para sempre os eventos daquele dia. 

Comentário: Um dos melhores filmes que assisti, faz o espectador refletir sobre a vida de uma maneira bem humorada e reflexiva. A frase perfeita para resumir o filme poderia ser a seguinte: "Faça do seu pior dia, o melhor da sua vida!" Podemos comparar a história ao processo de evolução do espírito, onde muitas existências são completamente em vão, voltadas apenas a satisfação dos desejos materiais, até atingir o despertar espiritual, o desejo pleno e desinteressado de praticar o bem.





sexta-feira, 8 de junho de 2018

Entrevista com Dâmocles Aurélio

Dâmocles Aurélio no blog EspiritualMente
Dâmocles Aurélio

Dâmocles Aurélio da Silva, nascido na cidade de Ribeirão/PE em 1949, é editor e colunista do Lampadário Espírita, um boletim informativo independente de educação espírita, cuja distribuição é gratuita.

Atualmente, é trabalhador espírita vinculado ao Centro de Estudos Espíritas Léon Denis, localizado no bairro do Curado IV no município de Jaboatão dos Guararapes/PE.

Dâmocles Aurélio no blog EspiritualMente
Tiago Rodrigues
Redator e colunista/Lampadário Espírita
Dâmocles Aurélio no blog EspiritualMente
João Batista
Redator/Lampadário Espírita
                
Contato: lampadarioespirita@bol.com.br


*          *          *


EspiritualMente - Como o senhor conheceu o Espiritismo? Qual a importância desta Doutrina em sua vida?

Dâmocles - Minha mãe era espírita. Desde cedo entrei em contato com o Espiritismo. Aos domingos à noite, aos 11 anos de idade, acompanhava meu pai à Federação Espírita Pernambucana, localizada na época na Rua da Concórdia, nº 533, no centro do Recife. Guardo boas lembranças. Lembro-me do poeta Fernando Vaz, com os seus óculos de lentes grossas, do Sr. Lírio Ferreira, com a sua costumeira polidez no trato com as pessoas. Às segundas-feiras à noite, acompanhava minha mãe ao Tattwa Cavalheiros da Luz, do Círculo Esotérico da Comunhão do Pensamento, então localizado à Rua da Palma, se a memória não me falha, no edifício Sael, também no centro do Recife. Nessa mesma época, aos sábados à noite, acompanhava meu pai à Loja da AMORC (Ordem Rosacruz). Portanto, desde a infância, sempre estive em contato com o Espiritismo e com as doutrinas espiritualistas. Por conta disso, quando cheguei a Casa Espirita, não estranhei e nem foi necessário participar da Evangelização Espírita.


EspiritualMente - Como surgiu a ideia de criar o boletim informativo Lampadário Espírita?

Dâmocles - Na verdade, o projeto não foi meu. Isto foi explicado na edição de nº 100 de janeiro de 2015. Fui convidado a participar após o jornal já existir. Mas surgiu a partir da necessidade que os companheiros perceberam. Confesso que um projeto como o Lampadário era um velho desejo que guardava, mas que não tive a coragem de por em prática.


EspiritualMente - Em 2018, o Lampadário completou 12 anos de existência. Que balanço o senhor faz deste projeto? Quais os desafios para mantê-lo em funcionamento?

Dâmocles - Em 2016, realizamos um encontro pela passagem dos dez anos de existência do Lampadário e, naquela oportunidade, eu disse que o boletim estava existindo graças a minha teimosia, isso porque os quatro companheiros que havia fundado o órgão, haviam saído sem dizer adeus, deixando toda a carga sob os meus cuidados. Pensei, pensei e decidi por continuar, porém, veio a crise pós-2016 e o projeto teve a tiragem reduzida de 300 para 50 exemplares, mas não encerrou. E hoje somos um dos periódicos com maior número de edições na história da imprensa espírita pernambucana.


EspiritualMente - Como o senhor avalia o papel da imprensa espírita nos dias atuais na divulgação do Espiritismo?

Dâmocles - Hoje a divulgação, com os recursos da internet, é fácil e barato; o difícil continua sendo a qualidade do conteúdo. Na internet, por exemplo, há muitos jornais online, com cores vivas e design artístico bonito, mas o conteúdo fica a desejar. São quase sempre jornais noticiosos, divulgando os eventos que vão ocorrer ou que já se realizaram. Dentre os sites que considero com conteúdo e de ótima qualidade doutrinária, destaco O Consolador - Revista Semanal de Divulgação Espírita, de Curitiba/PR. Há também o site Autores Espíritas Clássicos, que é uma verdadeira biblioteca espírita com dezenas de livros disponíveis para baixar. Então, vejo com otimismo o trabalho de divulgação atual. A tendência é melhorar. Pernambuco é que foi sempre reticente nesse campo, haja vista, conforme demonstra a história, o número de jornais ao longo do tempo é insignificante.


EspiritualMente - O que o senhor mais aprendeu no decorrer de todos esses anos de trabalho ativo no movimento espírita?

Dâmocles - Pergunta difícil! Aprendi que sou um espírito de 3ª ordem, beirando a 7ª classe. E que ainda tenho que "comer muito feijão" nas próximas existências (se ainda existir feijão)! 


EspiritualMente - Em meio a tantas crises, escândalos e crescimento da violência, quais suas perspectivas sobre a atualidade e o futuro do Brasil? Estamos no rumo certo?

Dâmocles - Quem passou por uma ditadura (1964-1985), pode dizer que vive atualmente no Brasil paraíso. Presidente da República sendo cassado (já foram dois), presidente sendo acusado de roubo, condenado e preso; deputados, prefeitos e governadores condenados e presos em presídios comuns. É o fim dos "Odoricos Paraguaçus". Crimes, crises e carestia sempre existiram. Não sei se estamos no rumo certo; sei apenas que a marcha do progresso põe o trem nos trilhos.


EspiritualMente - Você tem algum projeto ou objetivo a ser alcançado no trabalho espírita?

Dâmocles - Quando eu deixar de projetar o futuro, quando deixar de sonhar, não terei mais o que fazer. Projetos há, o que falta é a coragem de iniciar a realização do desejo. Freud dizia que o sonho é a realização do desejo. Sigo o caminho inverso, primeiro sonho e depois busco realizar o desejo.


EspiritualMente - Que mensagem você deixa para os visitantes, seguidores e colaboradores do nosso blog?

Dâmocles - O que eu posso dizer? Ariano Suassuna, em suas aulas-espetáculos, dizia que "pela frente a gente elogia e quando a pessoa sai, dizemos o que realmente pensamos". Foi uma grata  surpresa conhecer o blog EspiritualMente. Desejo a todos os visitantes, seguidores e colaboradores, um grande abraço fraterno e não deixem de estudar a Doutrina Espírita!


*          *          *

Agradecemos ao prezado amigo Dâmocles Aurélio por conceder esta entrevista!





segunda-feira, 4 de junho de 2018

O rosto da felicidade

Texto de Almir Paes no blog EspiritualMente

Certa vez, eu vi numa foto um rosto sorridente, inocente, singelo, de uma criança.

Ao fundo, por trás da foto, nos bastidores, vi a dura realidade social que envolve a sua vida: habitações sub normais (barracos), esgoto a céu aberto, lixo, roedores, contrastando ao semblante da criança feliz.

Não é que para ser feliz precisamos ser miseráveis, mas que não haja tanta vinculação da felicidade com ostentação, materialismo. A mídia nos bombardeia a toda hora com esses jargões: felicidade é ter lancha, roupas finas, casas suntuosas, com a real intenção de criar e manter o hábito de consumo nosso de cada dia. A pedido dos empresários, os marqueteiros, os psicólogos, sociólogos, estudaram o perfil social e comportamental do ser humano e apresentaram para eles um modelo mercadológico que cria dependência de consumo, tipo assim: "quem não consome o produto X não tem status social.

O direcionamento do mercado de consumo é voltado para todos, mas sobretudo para crianças e adolescentes que ainda estão formando suas personalidades. A estratégia dos empresários não é apenas vender, mas criar o ímpeto e uma certa dependência do consumidor para com o determinado produto. Algumas crianças já dizem que não vivem sem consumir tal salgadinho, tal chocolate, tal refrigerante etc. Daí, eles pressionam os pais e conseguem o que querem. Com isto, vai se formando, perigosamente, uma geração de crianças e jovens dependentes, obesos, angustiados e, o que é pior, depressivos. 

Veja até onde está chegando a volúpia de lucros desses empresários. Eles pouco estão ligando para ética, moral ou saúde pública. Eles só querem saber de auferir lucros bem exorbitantes.

A felicidade é um estado interior de cada um. É uma conquista individual das pessoas. O rosto da felicidade está na simplicidade dos fatos e ações e não nos bagulhos/trambolhos tecnológicos que tentam nos empurrar.

Texto de Almir Paes no blog EspiritualMente
Almir Paes
O Cronista da Alma