quarta-feira, 10 de abril de 2019

Idas e vindas do espírito

Texto de Almir Paes no Blog EspiritualMente

Quando se vem reencarnar no planeta Terra, sabemos com antecedência de, no mínimo, 09 meses. As mulheres, por instinto materno, sabem até antes.

A festa é grande. A descoberta do sexo é uma conquista advinda da Ciência. Os preparativos são inúmeros: enxoval - cor azul ou rosa - , berço etc. A gravidez é uma benção divina. A barriga da mulher começa a crescer. Os primeiros movimentos do bebê são sentidos e evidenciados.

Apesar de toda dificuldade que é reencarnar num planeta de expiação e prova, a alegria da família é contagiante.

E o espírito?

Pelo véu do esquecimento, não lembra do que prometeu da sua missão na Terra. As lembranças lhe são sugeridas durante os tempos do início da sua lucidez, após os 07 anos. Daí em diante, já começa a preparação para a volta.

O ser humano passa por um montante de experiências e aprendizados extraordinários. A Escola da Terra começa a interagir com o espírito. A família abençoada ajuda nessa interação. A escola, de pedra e cal, ajuda na instrução do espírito e na sua relação com outros espíritos encarnados.

Ele se torna adulto, "dono de si", com o livre-arbítrio para utilizar e para administrar. Que responsabilidade! O espírito começa a vincular-se com outros espíritos encarnados, revelando a cultura, os usos, os costumes e as diferenças de cada um.

O processo do "cativar" é evidenciado.

Quando já temos um forte envolvimento com esse espírito, ele retorna à pátria espiritual, muitas vezes, sem nada dizer, sem informação prévia, sem aviso. Ele simplesmente nos deixa fisicamente. Deixa uma saudade eterna em nossos corações, em nossa vida, em nossa existência.

Assim é o ciclo da vida. Não podemos mudar.

Essa é, sem dúvida, a grande sabedoria do Criador, que nos envolve nessa teia chamada família, já sabendo das nossas limitações e de que ainda somos muito materialistas, apegados à consanguinidade.

O amor real é maior que tudo isso. Ele transcende a matéria e os laços sanguíneos.

Os laços espirituais são eternos. Duram muito mais que uma encarnação, uma vida terrestre. São permanentes.

Por isso, as pessoas especiais que conviveram conosco são muito mais que pais, mães, irmãos, irmãs... são amigos leais e eternos. Eles não morrem jamais. O amor perdura para sempre.

O que a gente sente é a saudade física, o convívio diário.

Que Deus abençoe a todos que já foram para planos espirituais concernentes aos seus merecimentos e às suas evoluções!

O bom de tudo isso é saber que a saudade não é dilacerante, angustiante, quando se tem a noção das idas e vindas do espírito. Ela é gostosa e reflexiva.


Almir Paes no Blog EspiritualMente
Almir Paes
O Cronista da Alma



Deseja ler outros textos de Almir Paes? Então, clique aqui!



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos pelo comentário!