quarta-feira, 4 de setembro de 2019

Confiemos em Cristo-Jesus


Sabe-se que, modernamente, o homem detêm dois métodos infalíveis para se obter provas da existência de um Criador, ou, como queira, de Deus: a Inteligência Suprema do Universo.

O primeiro de tais métodos está na prova viva do "sentir", em nós mesmos, que Deus existe; e, no segundo deles, no axioma científico de que "não há efeito sem causa" e, portanto, não sendo obra do nada ou do acaso, o Universo há de ter um Projetista, um Criador, salvo se, atropelando o nosso "sentimento", a nossa "razão", crermos na possibilidade de um efeito sem causa e, pois, crermos que o dito Universo surgira do nada, do acaso, como é possível de verificar-se em alguns filósofos e cientistas modernos que, por sua vez, se opõem ao "sentir" e ao "raciocínio" lógico de que não possa haver efeito sem causa.

Para Kardec, de comum acordo com os princípios ditados pelos Superiores da Espiritualidade: "A harmonia do Universo testemunha uma sabedoria, uma prudência e uma previdência que suplantam todas as faculdades humanas; o nome de um Ser soberanamente grande e sábio está inscrito em todas as obras da criação, desde o ramo de erva e no menor inseto, até os rastros que se movem no espaço; por toda parte vemos a prova de uma solicitude paternal; por isso, cego é aquele que não vos reconhece em vossas obras, orgulhosos aquele que não vos glorifica e ingrato aquele que não vos rende ações de graça" (Vide: O Evangelho Segundo o Espiritismo).

Ora, se o Espiritismo fornece provas da existência de Deus, da palingenesia e, pois, dá testemunho inequívoco de nossa imortalidade, qual o motivo primordial desta Nova Revelação que, em meados do século 19, se mostrara ao mundo por meio de provas inconcussas, provas e estudos sérios dos mais eminentes homens de Ciência, homens de um saber e de uma cultura universais?

Segundo ele mesmo, o Espiritismo surge como promessa do Nazareno que, ao seu tempo, há dois mil anos atrás, preconizava ter, ainda, muitas outras coisas para nos dizer, mas que não poderia ser compreendido naqueles dias do seu breve instante terreno. E, por tal mesmo, Jesus promete um outro Consolador, o Espírito de Verdade, nas palavras de que: 

"Eu pedirei a meu Pai, e Ele vos enviará um outro Consolador, a fim de que permaneça eternamente convosco: o Espírito de Verdade (...) Mas o Consolador, (...) que meu Pai enviará em meu nome, vos ensinará todas as coisas e vos fará relembrar de tudo aquilo que eu vos tenha dito".
(João, cap. 14, v. 15, 16, 17 e 26)

Logo, temos o Espiritismo como promessa cumprida do Mestre Nazareno, ensinando-nos paulatinamente e sucessivamente todas as coisas e nos fazendo recordar todos os seus passos, suas prédicas suaves, convidando-nos, a todos, à prática viva de seus sublimes ensinos como meio infalível de nossa paz, nosso aprimoramento e progresso espiritual.

Cremos, pois, que nestes momentos de tão grande turbulência no mundo terreno, só a fé e a confiança na Providência Divina, pode nos livrar da maldade dos homens, do pessimismo, da depressão e de outros tantos males da sociedade moderna.

Creiamos que Jesus está no leme e na direção da grande barca terrena!



Fernando Rosemberg Patrocínio
Fundador de Núcleo Espírita Cristão
Coordenador de Estudos Doutrinários
Palestrante, articulista e escritor com dezenas de eBooks gratuitos instalados na Web-Artigos e em seu blog: http://fernandorosembergpatrocinio.blogspot.com/
E-mail: fernandorosemberg4@gmail.com 








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos pelo comentário!